Catálogo do ISPA. Pesquisa: ("CL 1110 - Teses De Doutoramento"+"CL 1110 - Teses De Doutoramento$") Resultados de 1 a 35 sobre 169 encontrados.
Enviar resultados por:
Envio de resultados por email
  
impressão de resultados
  
Exportação de resultados para iso2709
  
Visualizar no formato:
Seleccionar resultados:
    

Autor: FERREIRA, Milene Alexandra Gregório
Título: Teacher-child interactions disability profile and social experiences of children in inclusive preschool classrooms [texto policopiado] / Milene Alexandra Gregório Ferreira
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 143p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Em Portugal, quase todas as crianças com incapacidades encontram-se a frequentar contextos de educação pré-escolar regular, tornando-se fundamental promover a sua inclusão de uma forma que potencie o seu desenvolvimento global, bem como o desenvolvimento de sentimentos de pertença, relações sociais positivas e amizades. De facto, recentemente, o desenvolvimento socio-emocional e comportamental das crianças com incapacidade foi considerado um objetivo crucial de uma inclusão de elevada qualidade na infância (DEC/ NAEYC, 2009). Composta por três estudos, a presente dissertação tem por objetivo alargar o conhecimento existente acerca das experiências sociais das crianças com incapacidades que frequentam contextos de educação pré-escolar e da forma como as suas características individuais e a exposição ao contexto, considerando quer a qualidade das interações educador-criança quer e o tempo de exposição a essas interações, influenciam o estabelecimento de relações sociais e o seu desenvolvimento social. Neste estudo, participaram um total de 86 crianças com incapacidades (63 rapazes) com idades que variavam entre os 45 e 88 meses (M = 67.53, DP = 10.54), frequentando 86 jardins-de-infância inclusivos da área metropolitana de Lisboa, bem como os seus respetivos educadores de infância. O primeiro estudo permitiu descrever as experiências sociais das crianças com incapacidades ao nível das relações diádicas e ao nível do grupo, identificando características individuais e perfis de funcionalidade que dificultam a inclusão social. No segundo estudo, procurou-se compreender em que medida as características das crianças associadas a maior risco de exclusão social e as características dos contextos que parecem ser protetoras, como a qualidade das interações educador-criança (e.g., Burchinal et al., 2010), influenciam as suas experiências sociais e como esta relação é moderada pelo tempo de exposição. Por fim, no terceiro estudo, analisou-se o papel moderador da qualidade das interações educador-criança e do tempo de exposição na relação entre o grau de incapacidade das crianças e as suas competências sociais e comportamentais. Os resultados encontrados evidenciam que as crianças com perfis de incapacidade mais graves e que revelam dificuldades socio-comportamentais apresentam um maior risco de exclusão social, verificando-se que os seus educadores de infância poderão não identificar processos de rejeição destas crianças, colocando em causa a sua inclusão social. Crianças com dificuldades comportamentais e baixa competência verbal parecem revelar mais dificuldades em termos de inclusão social quando têm níveis superiores de exposição, ou seja, quando faltam menos dias. A qualidade das interações educador-criança não parece ter um impacto direto nas experiências sociais das crianças; contudo, parece moderar a associação entre o grau de incapacidade das crianças e os seus problemas de comportamento, tendo a baixa qualidade um impacto negativo nos comportamentos das crianças com incapacidades mais ligeiras. Com base nestes resultados, importa no futuro apoiar os educadores no desenvolvimento de competências de identificação de processos de rejeição e exclusão de crianças com incapacidade pelos seus pares, bem como na implementação de estratégias ativas que promovam o envolvimento das crianças com incapacidade em interações de elevada qualidade, potenciando o desenvolvimento das suas competências e relações sociais. Por outro lado, a simples permanência das crianças com comportamentos desafiantes e menos competências de linguagem em contextos inclusivos parece não ser suficiente para assegurar a sua inclusão social, sendo importante implementar intervenções específicas que promovam, efetivamente, as suas competências socio-comportamentais.
ABSTRACT--------- In Portugal, almost all children with disabilities attend regular preschool classrooms. Therefore, it is crucial to promote their inclusion ensuring their global development, as well as the development of a sense of belonging, positive social relationships, and friendships. Indeed, recently, the socio-emotional and the behavioral development of children with disabilities was considered a critical goal of high-quality early childhood inclusion (DEC/ NAEYC, 2009). Constituted by three studies, the present dissertation aims to extend the existing knowledge on the social experiences of children with disabilities who attend inclusive early childhood education and care (ECEC) settings and on how their individual characteristics and exposure to context, specifically the quality of teacher-child interactions and the amount of their exposure, influence the development of social relationships and social development. In this study, participated a total of 86 children with disabilities (63 boys), aged between 45 and 88 months (M = 67.53, SD = 10.54) from 86 inclusive preschool classrooms from the metropolitan area of Lisbon, as well as their respective teachers. The first study aimed to describe the social experiences of children with disabilities in terms of dyadic relationships and group level experiences, identifying individual characteristics and functional profiles that hinder their social inclusion. In the second study, we sought to understand to what extent children's characteristics associated with a higher risk of social exclusion and context characteristics that seem to be protective, as the quality of teacher-child interactions (e.g., Burchinal et al., 2010), influence their social experiences and how this association is moderated by their exposure. Finally, in the third study, we analyzed the moderating role of teacher-child interactions quality and dosage in the associations between children’s degree of disability and their social and behavioral competences. Findings showed children with more severe disabilities, and children who revealed socio behavioral difficulties present a higher risk of social exclusion, while suggesting their teachers may not be aware of processes of social rejection, jeopardizing their social inclusion. Children with behavior difficulties and low verbal competence seem to have more social inclusion difficulties, when they have higher levels of dosage, that is, when they miss more school days. Teacher-child interactions quality does not seem to have a direct impact on children's social experiences; however, it does seem to moderate the association between the children’s degree of disability and their problem behaviors, with lower quality having a negative impact on the behavior of children with mild disabilities. Based on these findings, it is important to support early childhood education teachers’ in identifying processes of social rejection and exclusion of children with disabilities by their peers, as well as in implementing active strategies that promote the involvement of children with disabilities in high-quality interactions, enhancing the development of their competences and social relationships. On the other hand, the simple exposure of children with challenging behaviors and less verbal competences to inclusive settings does not seem to be sufficient to ensure their social inclusion, and the implementation of specific interventions to effectively promote their social-behavioral skills seems necessary.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Aguiar, Cecília ; Pimentel, Júlia van Zeller de Serpa
Assuntos: Teses de Doutoramento / Crianças com incapacidades / Relações sociais / Interações educadora-criança / Competências sociais
Subject: Thesis / Children with disabilities / Social relationships / Teacher-child interactions / Social competence
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/5487
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES FERR/M1 ISPA 20231
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: RAMOS, Ana Catarina Marques Barge
Título: Crescimento pós-traumático e crenças centrais em mulheres com cancro da mama [texto policopiado] : Um programa de intervenção / Ana Catarina Marques Barge Ramos
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 133p.
Resumo de autor: RESUMO--------- O cancro da mama, compreendido como um acontecimento traumático, pode potenciar diversas reacções negativas como respostas individuais ao processo de doença. Porém, na literatura, aumenta a evidência de mudanças positivas que ocorrem como resultado do coping individual com o cancro da mama - Crescimento Pós-Traumático (CPT). Diversos factores contribuem para o desenvolvimento de CPT, tais como, stress do acontecimento, disrupção de crenças centrais, ruminação intrusiva e deliberada, suporte social e expressão emocional. A intervenção em grupo potencia a reconstrução cognitiva, a expressão emocional e a percepção de crescimento individual após a doença oncológica. A presente investigação foi desenvolvida com os seguintes objectivos: a) implementação e avaliação de uma intervenção em grupo para facilitar o CPT; b) estudo do modelo de CPT, introduzindo novas variáveis: o stress do acontecimento e a percepção de doença; c) exploração dos factores que predizem a disrupção de crenças centrais. A amostra foi constituída por 205 mulheres (M = 54,32 anos; DP = 10,05) com diagnóstico de cancro da mama não metastático, divididas em grupo de controlo (n = 147) e grupo experimental (n = 58). A intervenção em grupo teve uma duração de 8 semanas e periodicidade semanal, e teve como principal objectivo a promoção de CPT. A avaliação das variáveis psicossociais (CPT, stress do acontecimento, sintomas de Perturbação Pós-Stress Traumático, disrupção de crenças centrais, ruminação, suporte social e expressão emocional) ocorreu em três momentos: baseline, 6 meses (após intervenção) e 12 meses depois (followup). Os instrumentos não aferidos para a população portuguesa foram validados no presente estudo. Os resultados do Modelo de Crescimento Latente evidenciaram um crescimento significativo de CPT desde o primeiro para o terceiro momento de avaliação, sendo que a participação no grupo de intervenção determina o aumento de CPT. Os resultados do Modelo de Equações Estruturais demonstraram que o stress do acontecimento e a percepção de doença contribuem para o modelo de CPT. A disrupção de crenças centrais é o principal preditor de CPT, sendo mediado pela ruminação intrusiva e deliberada. No âmbito da análise dos factores preditores da disrupção de crenças centrais, os resultados demonstraram que o stress do acontecimento, sintomas de Perturbação Pós-Stress Traumático, percepção de doença e realização de mastectomia são factores que conduzem à disrupção de crenças centrais. Em conclusão, esta investigação com desenho longitudinal proporciona importantes evidências empíricas sobre a eficácia desta intervenção em grupo no aumento de CPT, repercutindo-se em possíveis implicações sobre a viabilidade da aplicação desta intervenção em contexto hospitalar. A inclusão do stress e da representação emocional e cognitiva da doença no modelo de CPT evidencia a relevância de considerar estas variáveis em futuros estudos sobre CPT.
ABSTRACT--------- Breast cancer, as a traumatic event, may trigger several adverse reactions as individual responses during the disease process. Moreover, the literature provides increased evidence for positive changes as a result of individual coping with the breast cancer - Posttraumatic Growth (PTG). Several factors contribute to the development of PTG, such as, stressfulness of the event, challenge to core beliefs, intrusive and deliberate rumination, and social support. Group intervention fosters cognitive processing, emotional expression and the perception of individual growth after oncologic disease. This research has been designed with the following objectives: a) implementation and evaluation of a group intervention to facilitate PTG; b) study of the PTG model through the introduction of new variables, such as stressfulness of the event, illness perception and emotional disclosure; c) analysis of the predictors of challenge to core beliefs. The sample consisted of 205 women (M = 54.32 years, SD = 10.05) diagnosed with nonmetastatic breast cancer, divided into a control group (n = 147) and an experimental group (n = 58). The group intervention took place on a weekly basis over 8 weeks and its main aim was to facilitate PTG. The assessment of psychosocial variables (PTG, stressfulness of the event, Posttraumatic Stress Disorder, challenge to core beliefs, rumination, social support and distress disclosure) occurred in three moments: baseline, 6 months after intervention, and 12 months later on (follow-up). Questionnaires previously not validated for the Portuguese population, have been validated with this study. The results of Latent Growth Modeling showed a significant growth of PTG from the first to the third assessment. Conversely, participation in the intervention group is what causes PTG increase. The results of the Structural Equation Model showed that the stressfulness of the event and illness perception contribute to the PTG model. The challenge to core beliefs is the main PTG predictor and it is mediated by intrusive and deliberate rumination. Upon examining the predictors of challenge to core beliefs, the results showed that the stressfulness of the event, symptoms of Posttraumatic Stress Disorder, illness perception and mastectomy are predictors of the challenge to core beliefs. In conclusion, this research with a longitudinal design provides important empirical evidence on the effectiveness of this group intervention in PTG, which can have possible implications on the feasibility of implementing this intervention in the hospital context. The inclusion of stressfulness and emotional and cognitive representation of illness in the PTG model highlights the relevance of considering these variables in further studies concerning PTG.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Leal, Isabel Pereira ; Tedeschi, Richard G.
Assuntos: Teses de Doutoramento / Crescimento pós-traumático / Disrupção de crenças centrais / Cancro da mama / Intervenção em grupo
Subject: Thesis / Posttraumatic growth / Challenge to core beliefs / Breast cancer / Group intervention
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/5484
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES RAMO1 ISPA 20229
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: HENRIQUES, Ana Patricía Matos
Título: Humanness and (im)morality in group relations [texto policopiado] / Ana Patrícia Matos Henriques
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 194p.
Resumo de autor: RESUMO---------
ABSTRACT--------- Morality is a valued dimension within and between groups (Ellemers, Pagliaro, & Barreto, 2013; Leach, Bilali, & Pagliaro, 2015), that has been consistently pointed out as part of what makes us uniquely human (Demoulin et al., 2004; Leyens et al., 2000; Haslam, 2006). On the other hand, the extent to which we see others as fully human also impacts on other’s moral status (Bastian, Laham, Wilson, Haslam, & Koval, 2011; Kelman, 1973; Opotow, 1990). The two dimensions seem to have a narrow relation, which has recently begun to capture more attention (Haslam, Bastian, Laham, & Loughnan, 2012; Khamitov, Rotman, & Piazza, 2016; Vasiljevic, & Viki, 2014). This thesis aims at analysing the relation between morality and humanness in group relations. A first research paper analysed the attribution and denial of moral traits to groups, integrating the role of humanness and valence in intergroup differentiation. By means of two studies we tested the hypothesis stating that within the moral domain, participants choose different strategies to differentiate the ingroup from the outgroup depending on trait humanness and valence. Our results support this hypothesis, as we found that participants attributed more uniquely human traits to the ingroup, but only in case these were positive; in case these were negative the uniquely human traits were more attributed to outgroups. In a second paper we analysed the relation between immorality and humanness, by using the evaluation of criminal behaviours as a proxy to address this relation. In our data, we found that Human Uniqueness and immorality did not correlate with each other. With this paper we also aimed at providing researchers with a range of validated stimuli to address these topics, which was exactly what we purposed ourselves to do in the last research paper presented in this thesis. In a third paper we analysed how ingroup members deal with ingroup deviance, integrating the role of ingroup threat. Specifically, we analysed the humanness perception of a deviant ingroup member that behaves in an immoral but uniquely human way. We found that when the deviant behaviour was less threatening, the ingroup members humanised the deviant as much as the ingroup itself. However, when the deviant behaviour represented a threat to the ingroup image, the ingroup members dehumanised more the deviant member. In a second study we analysed the dehumanisation of the ingroup deviant, regarding two different types of behaviours, which vary in humanness and immorality. In both studies we also measured the perception of moral blame of the deviant member, integrating our results with previous findings (Bastian, Denson, & Haslam, 2013). Finally we addressed the different intragroup strategies that ingroup members use to deal with threats to the ingroup image. Results are discussed in terms of their contribution to the relation between humanness and immorality, as well as the implications for dehumanisation theory. Future research is outlined.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Pereira, Maria Gouveia
Assuntos: Teses de Doutoramento / Desumanização / Moralidade / Imoralidade / Ameaça Intragrupal
Subject: Thesis / Dehumanisation / Morality / Immorality / Ingroup Threat
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/5456
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES HENR1 ISPA 20220
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: GAIOLAS, Isabel Sampaio Gaiolas
Título: Aprendizagem da linguagem escrita nos dois primeiros anos de escolaridade e sua relação com o conhecimento metalinguístico [texto policopiado] / Mónica Isabel Sampaio Gaiolas
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 213p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Esta investigação teve como objetivo estudar a relação entre conhecimento metalinguístico (consciência fonológica, morfológica e sintática) e o desempenho em leitura e escrita, nos dois primeiros anos de escolaridade. Participaram 83 crianças de língua portuguesa de dois Agrupamentos de Escola seguidas do início do primeiro ano ao final do segundo ano de escolaridade. As mesmas foram avaliadas no início de cada ano letivo (provas de consciências fonológica, morfológica e sintática) e no final de cada ano letivo (leitura - fluência e compreensão e escrita de palavras e escrita de texto - esta última apenas foi avaliada no final de 2º ano). Após realizadas análises de regressão e após a elaboração de um modelo de equações estruturais, os resultados demonstraram que quando controlados o desenvolvimento cognitivo, a memória verbal e as habilitações da mãe, os melhores preditores da fluência de leitura foram a consciência fonológica e nomeação de letras no 1º ano e a consciência fonológica e a fluência leitora no 2º ano. Os melhores preditores da compreensão leitora foram a consciência sintática e a fluência leitora no 1º e 2º ano. A respeito da escrita de palavras, os melhores preditores foram a consciência fonológica e a sintática no 1º ano e a consciência fonológica e a escrita de palavras no 2º ano. Por último, os melhores preditores da escrita de texto foram a consciência sintática e a escrita de palavras. As provas de consciência morfológica não influenciaram diretamente nenhuma das medidas de leitura e escrita para além da já referida influência das variáveis mencionadas. Face aos resultados obtidos verificamos que o conhecimento metalinguístico tem um papel diferenciado no que respeita à sua influência nas medidas de leitura e escrita, parecendo a consciência fonológica influenciar mais diretamente a leitura e a escrita de palavras e a consciência sintática a compreensão leitora e escrita de texto. Por outro lado, verificamos que não só o conhecimento metalinguístico influencia a linguagem escrita como também a própria leitura e escrita medidas no final de primeiro ano influenciam a linguagem escrita medida um ano depois.
ABSTRACT--------- This research aimed to study the relationship between metalinguistic knowledge (phonological, morphologic and syntactical awareness) and reading and writing performance in the two first years of elementary school. Eighty-three Portuguese-speaking children were followed from the beginning of the first year to the end of the second year of schooling. They were evaluated at the beginning of each school year (tests of phonological, morphologic and syntactical awareness) and at the end of each school year (reading - fluency and comprehension -and writing - word and text writing – this last one was only evaluated at the end of the second year of schooling). After having done regression analysis and after the elaboration of a model of structural equations, the results obtained showed that when the cognitive development, the verbal memory and the mother’s educational level were controlled, the best predictors of reading fluency were the phonological awareness and the naming of letters in the first year and the phonological awareness and the reading fluency in the second year. The best predictors of the reading comprehension were the syntactical awareness and the reading fluency in the first and second year. In what concerns the writing of words, the best predictors were the phonological and the syntactical awareness in the first year and the phonological awareness and the writing of words in the second year. Finally, the best predictors of text writing were the syntactical awareness and the writing of words. The tests of morphologic awareness did not directly influence any of the reading and writing measures beyond the already mentioned influence of the other predictors. Our results suggest that the metalinguistic knowledge has a defined role in its influence on the measures of reading and writing; it seems that the phonological awareness influences more directly the reading and the writing of words and the syntactical awareness influences more directy the reading comprehension and the text writing. On the other hand, we have also verified that not only the metalinguistic knowledge influences the written language but also the reading and writing measured at the end of the first year influence the written language measured one year later.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Martins, Margarida Alves
Assuntos: Teses de Doutoramento / Leitura / Escrita / Conhecimento metalinguístico / Aprendizagem
Subject: Thesis / Reading / Writing / Metalinguistic knowledge / Learning
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/5485
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES GAIO1 ISPA 20230
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: FERNANDES, Alexandre Constâncio
Título: Efeitos da familiaridade em julgamentos de duração [texto policopiado] / Alexandre Constâncio Fernandes
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2017
Descrição física: 266p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A familiaridade tem o efeito de dilatar a nossa experiência subjetiva da duração de um estímulo ou evento. Este efeito tem sido essencialmente associado a dois níveis de alterações no processamento de propriedades não-temporais do estímulo: a eficiência no processamento dessas informações, e a experiência subjetiva de fluência desse mesmo processamento. Os trabalhos desenvolvidos nesta tese tiveram como principal objectivo contrastar as duas explicações teóricas que se sustentam nessas vias de processamento, mas até aqui sem fundamentação empírica. Nomeadamente, uma hipótese atencional, enquadrada em modelos dedicados de processamento de informação (i.e., relógio-interno) no campo da percepção de tempo, e uma hipótese atribucional de fluência, enquadrada em modelos generalistas de decisão e julgamento. Num primeiro estudo meta-analítico, integrando a literatura experimental sobre o efeito da familiaridade, demonstrámos a sua consistência e validade. Além disso demonstramos que este é moderado pela duração objectiva dos estímulos suportando processos de interferência exógena na atenção seletiva à informação temporal. No entanto o efeito não parece ser moderado por tarefas concorrentes. Dados de um segundo estudo experimental oferecem porém evidencias de efeitos de distribuição de recursos cognitivos com um papel no processo associado ao efeito de familiaridade. Isto dado o papel que a sensibilidade ou discriminação temporal exerce sobre o efeito (apenas previsto pelos modelos de relógio-interno para alterações associadas à distribuição de recursos atencionais). Adicionalmente, os dados do estudo meta-analítico sugerem que os efeitos da familiaridade ocorrem quando a informação temporal é mais difícil de discriminar, o que está concordante com o uso metacognitivo da experiência de fluência para desambiguar a informação do julgamento corrente. Num terceiro estudo, corroborámos a hipótese-atribucional para o efeito de familiaridade nos julgamentos de duração ao demonstrar que este é mediado pela atividade dinâmica do músculo zigomático major associado a afetos positivos próprios da experiência de fluência. Neste estudo os indicadores atencionais (i.e., atividade do corrugador superciliar e da frequência cardíaca) não parecem estar associados à emergência do efeito. Adicionalmente, testamos a hipótese do efeito de familiaridade poder ser explicado por modelos puros de fluência perceptiva. Para o efeito contrastámos meta-analiticamente efeitos de familiaridade, que agrega componentes de fluência perceptiva e conceptual, com manipulações puramente perceptivas. Como esperado o efeito é replicado com as manipulações de fluência perceptiva. No entanto, constatámos que outros indicadores derivados dos pressupostos dos modelos de fluência, nomeadamente, efeitos de discrepância e de correção da atribuição, se verificaram apenas para a fluência perceptiva, sugerindo que os efeitos de familiaridade não se resumem a efeitos de fluência. Tomados em conjunto estes dados sustentam que o efeito de familiaridade emerge por uma convergência de processos que ocorrem através de múltiplas vias. Apontamos portanto para a necessidade de uma complementaridade dos modelos na compreensão dos processos subjacentes ao efeito dafamiliaridade.
ABSTRACT--------- Familiarity has the effect of expanding our subjective experience of the duration of a stimulus or event. This effect has been essentially associated with two levels of changes in the processing of non-temporal properties of the stimulus: the efficiency in the processing of this information, and the subjective experience of fluency of this same processing. The work developed in this thesis had as main goal to contrast the two theoretical explanations that are based on these processing routes, but until now without any empirical bases. Namely, an attentional hypothesis, framed in dedicated models of information processing (i.e., ternalclock) in the field of time perception, and an attributional hypothesis of fluency, framed in generalist models of decision and judgment. In a first meta-analytic study, integrating the experimental literature on the effect of familiarity, we have demonstrated its consistency and validity. In addition, we demonstrate that it is moderated by the objective duration of stimuli supporting processes of exogenous interference in selective attention to temporal information. However, the effect does not seem to be moderated by non-temporal concurrent tasks. Data from a second experimental study, however, provide evidence of cognitive resource distribution effects with a role in the process associated with the familiarity effect. This is given the role that temporal sensitivity or discrimination exerts on the effect (only predicted by the clock-internal models for changes associated with the distribution of attentional resources). In addition, data from the meta-analytic study suggest that the effects of familiarity occur when temporal information is more difficult to discriminate, which is consistent with the metacognitive use of the fluency experience to disambiguate the central information in the judgment at hand. In a third study, we corroborated the attributional hypothesis for the familiarity effect in duration judgments by demonstrating that it is mediated by the dynamic activity of the zygomaticus major muscle, which is associated with positive affect of the fluency experience. In this study, attention indicators (i.e., corrugator supercilli activity and heart rate) do not appear to be associated with the emergence of the effect. Additionally, we test the hypothesis that the familiarity effect can be explained by pure models of perceptual fluency. For this purpose we meta-analytically contrasted the effects of familiarity, which aggregates perceptual and conceptual fluency components, with purely perceptual manipulations. As expected the effect is replicated with perceptual fluency manipulations. However, we found that other indicators derived from the assumptions of fluency models, namely discrepancy effects and correction of attribution, were verified only for perceptual fluency, suggesting that familiarity effects are not limited to fluency effects. Taken together these data hold that the familiarity effect emerges through a convergence of processes that occur through multiple paths. We therefore point to the need for a complementarity of models in understanding the processes underlying the effect of familiarity in duration judgments.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Marques, Teresa Garcia
Assuntos: Teses de Doutoramento / Familiaridade / Percepção de tempo / Fluência de processamento / Meta-análise
Subject: Thesis / Familiarity / Time perception / Processing fluency / Meta-analysis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/5486
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES FERN1 ISPA 20232
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: FAUSTINO, Ana Isabel Soares
Título: Social buffering of fear in zebrafish / Ana Isabel Soares Faustino
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 113 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A ubiquidade da formação de grupos em animais tem sido explicada, entre outros aspectos, pelos seus benefícios na proteção contra predadores, nomeadamente devido ao aumento global do estado de vigilância, diluição do risco e capacidade de confundir o predador. Assim, os grupos sociais proporcionam um ambiente mais seguro na presença de ameaças, onde a presença de conspecíficos diminui o medo desencadeado por eventos aversivos que surjam no ambiente, um fenómeno designado por “social buffering”. Este fenómeno social tem sido verificado em mamíferos, onde já existe alguma evidência sobre os mecanismos neurais envolvidos, mas o seu estudo em outros vertebrados ainda é escasso. Por esta razão, são necessários mais estudos comparativos para melhor compreender a evolução do “social buffering” entre animais sociais e quão evolutivamente conservados são os mecanismos subjacentes a este comportamento social. Diferentes modalidades sensoriais (através de “cues”) podem promover este efeito de “buffering” e a eficácia de cada canal sensorial neste fenómeno comportamental pode variar entre espécies. Além disso, do que é sabido, a eficácia ao longo do tempo de diferentes “cues” sensoriais, bem como a eficiência de grupos sociais que divirjam no seu número de elementos, nunca foi testada no contexto de “social buffering”. Estas questões adquirem especial importância se considerarmos que exposições mais prolongadas a ameaças e grupos sociais maiores, influenciam as probabilidades de sobrevivência do indivíduo. Dada a sua posição filogenética, os peixes teleósteos permitem explorar o “social buffering” e os mecanismos envolvidos neste comportamento social, na radiação evolutiva de maior sucesso entre os vertebrados (paralela à dos tetrápodes). O peixe-zebra é uma espécie pertencente aos teleósteos que apresenta comportamentos de medo quando submetido a situações ameaçadoras em contextos de isolamento social, no entanto a ocorrência de “social buffering” nesta espécie permanece praticamente inexplorada. Nesta tese, investigámos a ocorrência de “social buffering” no peixe-zebra, submetendo peixes focais a um estímulo aversivo (substância de alarme) quer na presença ou ausência de “cues” sensoriais sociais. Numa primeira experiência, mostrámos que quando submetidos à substância de alarme na presença de “cues” sociais olfactivas (água do cardume) e visuais (visualização do cardume), os peixe-zebra apresentaram uma resposta de medo inferior do que quando submetidos à substância de alarme sozinhos (durante 30 minutos de exposição) revelando a ocorrência de “social buffering” continuado da resposta de medo. No entanto, análises ao cortisol ou RNA mensageiro da hormona libertadora de corticotrofina (CRF), dos receptores de glucocorticóides, e receptores de mineralocorticóides, não revelaram evidências de “buffering” da resposta de stress. Numa segunda experiência, testámos separadamente a eficácia de “cues” olfactivas e visuais no fenómeno de “social buffering”, e verificámos que a visualização do cardume de peixes-zebra se revelou a “cue” mais eficaz na diminuição da resposta de medo provocada pela substância de alarme, quando num cenário de exposição constante à ameaça (30 minutos). Numa terceira experiência, demonstrámos que este “buffering” social não depende do número de conspecíficos presentes no cardume, uma vez que cardumes mais pequenos se revelaram igualmente eficazes em diminuir a resposta de medo provocada pela substância de alarme. Finalmente, usando a expressão génica de um “immediate early gene” (c-fos) como indicador de atividade neuronal, verificámos que o fenómeno de “social buffering” em peixezebra desencadeia um padrão específico de co-activação de áreas cerebrais conhecidas pelo seu envolvimento em respostas de medo e “buffering” em mamíferos. Concluindo, o conjunto de estudos apresentados nesta tese sugerem uma origem evolutiva comum nos vertebrados para o comportamento de “social buffering”, providenciando novas perspectivas sobre os mecanismos comportamentais e neurais envolvidos neste comportamento social.
ABSTRACT-----------The ubiquity of group formation among animals has been explained among several aspects by its anti-predatory benefits, including an overall increase in vigilance, the dilution of risk and predator confusion. Thus, social groups offer a safer environment in the presence of threats, and the presence of conspecifics is known to decrease the fear response to a detected threatening event, a phenomenon named social buffering. This social phenomenon has been documented in mammals, where there is already some evidence about its neural mechanisms, but its study in other vertebrate taxa is still scarce. Thus, more comparative studies are needed to better understand the evolution of social buffering among social animals and how evolutionary conserved are its underlying mechanisms. For instance, different sensory modalities can convey relevant conspecific social cues used in buffering and the efficiency of each sensory channel may vary across species. Furthermore, to our knowledge, the effectiveness of these sensory cues over time and different conspecific group sizes has never been tested in the context of social buffering, which is of great relevance considering that long exposures to threat and bigger group sizes may influence individual chances of survival. Given their phylogenetic position, teleost fish offer the possibility to investigate the occurrence of social buffering and its underlying mechanisms in the most successful evolutionary radiation among vertebrates, parallel to that of tetrapods. Zebrafish is a teleost species that expresses fear behaviour when individually exposed to threatening situations, however the occurrence of social buffering in this species has been virtually unexplored. In this thesis we investigated social buffering in zebrafish, by exposing focal fish to an aversive stimulus (alarm substance – AS) either in the presence or absence of conspecific cues. In a first experiment, we showed that when exposed to AS in the presence of both olfactory (shoal water) and visual (sight of shoal) conspecific cues, zebrafish exhibited a lower fear response over the 30 min test than when tested alone, indicating sustained social buffering of fear. Nonetheless, analysis of cortisol or mRNA expression of corticotropin-releasing factor, glucocorticoid receptors and mineralocorticoid receptors did not reveal buffering of the stress response. In a second experiment, we separately tested olfactory and visual cues effectiveness on the AS-elicited fear response, and verified that the sight of shoal was more effective in reducing fear responses in a persistent threat scenario (30 min test). In a third experiment, we found that this effect was independent of conspecific number, as smaller shoals were equally efficient as larger shoals at inducing social buffering. Finally, by using the expression of an immediate early gene (c-fos) as a reporter of neuronal activity, we showed that social buffering elicits a distinct pattern of functional connectivity among a set of brain regions known to be involved in fear-like responses and buffering processes in mammals. To conclude, the set of studies on this thesis suggests a shared evolutionary origin for social buffering in vertebrates, bringing new insights into the behavioural and neural mechanisms of this phenomenon.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Rui Filipe Oliveira
Assuntos: Teses de Doutoramento / Social buffering / Medo / Stress / Peixe-zebra
Subject: Thesis / Fear / Zebrafish
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4902
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES FAUS1 ISPA 19981
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: por



Marcar

Autor: DIAS, Filomena de Fátima Valadão
Título: A ansiedade infantil [Texto Policopiado] : vulnerabilidades da criança e influências dos pais / Filomena de Fátima Valadão Dias
Publicação: Lisboa : ISPA - Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 257 p.
Resumo de autor: RESUMO -------------Objetivo: Investigar a ansiedade infantil considerando a influência das seguintes variáveis: cognições das crianças e atribuições dos pais, relativas a estímulos ambíguos; medos e ansiedade dos pais. Disponibilizar instrumentos de medida da ansiedade das crianças e dos medos dos adultos, oriundos de populações comunitárias. Método: Procedeu-se à análise e avaliação das qualidades psicométricas das escalas: SCARED-R (n = 1238, idade 10-13); FSS III (n = 1980, idade 18-80). Foi realizada a análise confirmatória das duas escalas. Estas foram sujeitas a adaptações para a população do estudo e foi proposto um fator de 2ª ordem para cada instrumento. Foram realizadas 274 entrevistas, com 719 participantes (274/crianças/274mães/171pais) e preenchidos três instrumentos (SCARED-R; FSS III; STAI). Foram anotadas as respostas verbalizadas pelos participantes às questões colocadas, relativas ao instrumento Nine Ambiguous Stories. Realizou-se uma análise de conteúdo às respostas e procedeu-se à sua categorização. A fiabilidade da análise de conteúdo foi avaliada pelo nível de concordância entre os três avaliadores. As análises dos dados quantitativos foram realizadas com recurso a testes do Qui-Quadrado e t-Student; Correlação de Pearson; e, Modelos de Equações Estruturais. As análises estatísticas foram desenvolvidas com o IBM SPSS Statistics; IBM AMOS e MPlus. Resultados: A análise fatorial confirmatória confirmou a validade e fiabilidade das medidas obtidas da SCARED-R e da FSS-III na amostra do estudo. A codificação das respostas verbais das crianças apresentou 6633 unidades de registo, sendo 2570 positivas, 4063 negativas e 32 neutras. A exploração dos conteúdos originou 76 subcategorias. As positivas (25) englobaram conteúdos de interesse, confiança e segurança da criança perante as situações e conteúdos de emoção expressa. As negativas (32) juntaram conteúdos de emoção expressa, conteúdos de dificuldade, inibição, incapacidade, de danos físicos e materiais. Os pensamentos positivos das crianças e os medos das mães são preditivos da menor ansiedade das crianças. Os pensamentos negativos das crianças, os medos dos pais (homens) e ansiedade das mães são variáveis preditivas de maior ansiedade nas crianças. Os pensamentos positivos das crianças e as atribuições positivas das mães apresentaram uma relação positiva significativa. Conclusões: Esta investigação validou dois instrumentos de medida (da ansiedade e dos medos) a aplicar na promoção da saúde. Foi sugerida a reinterpretação e reavaliação dos conceitos de medos e ansiedade em populações normativas. O recurso à investigação destas populações e à perspetiva da criança permitiu concluir: os pensamentos positivos e negativos são características cognitivas do desenvolvimento normal das crianças com 10-11 anos; e, a expressão da emoção nos pensamentos deve ser considerada na investigação e intervenção. As características e perceções da criança sobre o seu funcionamento sugeriram crenças protetoras e crenças preditivas de níveis perturbados da ansiedade. A ansiedade e os medos dos pais devem ser analisados separadamente pois apresentam influências distintas na explicação da ansiedade das crianças. A correlação positiva das atribuições maternas e os pensamentos positivos das crianças, aliado à contribuição dos medos das mães para a redução da ansiedade da criança, sugeriu a existência de um mecanismo protetor materno ao desenvolvimento de níveis patológicos da ansiedade infantil.
ABSTRACT ------------- Aim: To research into child anxiety considering the influence of the following factors: children’s cognitions and parents’ attributions related to ambiguous stimuli; parents’ fears and anxiety. To provide measuring instruments of children’s anxiety and adults’ fears, using community samples. Method: The psychometric properties of two scales were analysed: SCARED-R (n = 1238, 10-13 years old); FSS III (n = 1980, 18-80 years old). CFA was performed on both scales. Then they were adapted to the population under study and a second order factor was proposed to each instrument. There were 274 interviews with 719 participants (274 children, 274 mothers, 171 fathers). SCARED-R, FSS III and STAI were completed. Participants also answered to questions related to the Nine Ambiguous Stories they had previously heard. A content analysis of their answers was done, followed by a categorization. Reliability of content analysis was based on the agreement between the three coders. Other statistical analyses involved Chi-Square and Student’s-t tests, Pearson correlation and Structural Equation Modeling. They were performed using IBM SPSS Statistics, IBM AMOS and MPlus. Results: CFA confirmed the validity and reliability of data from SCARED-R and FSS III in the sample under study. Scoring of children’s verbal answers resulted in 6633 recording units, from which 2750 were positive, 4063 were negative and 32 were neutral. Seventy six categories of content were found. Positive categories (25) included contents related to child’s interest, confidence and certainty when facing situations, and also contents of expressed emotion. Negative categories (32) included contents of expressed emotion, difficulty, inhibition, inability, physical and material damage. Children’s positive thoughts and mothers’ fears predict lower levels of anxiety in children. Children’s negative thoughts, fathers’ fears and mothers’ anxiety predict higher levels of children’s anxiety. Children’s positive thoughts and mothers’ positive attributions are significantly and positively related. Conclusions: This study validates two instruments (measuring anxiety and fears) to be used in health promotion. It suggests a reinterpretation and a re-assessment of the concepts of fear and anxiety in normative populations. Using this kind of populations and focusing the child’s perspective it is concluded that positive and negative thoughts are cognitive characteristics of children’s (aged between 10 and 11 years) normal development; the expression of emotion found on thoughts should be considered in intervention processes and research. Child’s characteristics and perceptions about his/her own functioning suggest the existence of protecting beliefs but also beliefs that predict dysfunctional levels of anxiety. Parents’ anxiety and fears should be separately analysed as they present distinct influences over children’s anxiety. The positive correlation between mother’s attributions and children’s positive thoughts, along with the contribution of mothers’ fears to reduce children’s anxiety, suggests the existence of a protective maternal mechanism against the development of pathological anxiety levels in children.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutoramento em Psicologia apresentada ao ISPA - Instituto Universitário sob orientação do Professora Doutora Isabel Pereira Leal e João Maroco
Assuntos: Dissertações de Mestrado / Pensamentos das crianças / Cognições / Vulnerabilidades / Influências parentais / Ansiedade / Medos
Subject: Dissertations / Children’s thoughts / Cognitions / Vulnerabilities / Parental influences / Anxiety / Fears
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4896
Cota: TES DIAS/F1 ISPA 19980
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: Portugal



Marcar

Autor: SANTOS, Teresa Cristina da Cruz Fatela dos
Título: Qualidade de vida, percepção de saúde, resiliência, autoregulação e suporte social nos adolescentes portugueses com doença crónica [texto policopiado] = Quality of life, perception of health, resilience, self-regulation and social support in portuguese adolescents with chronic disease / Teresa Cristina da Cruz Fatela dos
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 427p.
Resumo de autor: RESUMO--------- O impacto de doenças crónicas na Qualidade de Vida(QV)/Qualidade de Vida Relacionada com a Saúde(QVRS) e no funcionamento psicossocial é um fenómeno complexo. Este trabalho procurou: 1) caracterizar a QV/QVRS e funcionamento psicossocial em adolescentes com doenças crónicas ao nível representativo nacional; 2) explorar as associações entre o impacto da doença crónica na adolescência, QV/QVRS e funcionamento psicossocial; e, 3) caracterizar a QV/QVRS e funcionamento psicossocial em adolescentes com doenças crónicas em contexto clínico. O presente trabalho integrou três fases. A Fase I usou dados transversais do estudo nacional Health Behaviour in School-aged Children (2010) em 5050 adolescentes (52.3% raparigas, 14±1.85 anos de idade). Foram feitas comparações entre adolescentes com/sem doença crónica, e, dentro do grupo dos que tinham doença crónica, foram comparados os adolescentes que se sentiam afectados/não afectados na participação escolar. Variáveis individuais-psicológicas (percepção de saúde, satisfação com a vida e bem-estar psicológico) e socio-contextuais (satisfação com a família, auto-percepção de competência escolar, pressão com os trabalhos escolares e comportamentos de risco) foram avaliadas. A Fase II consistiu numa revisão sistemática sobre associações entre doenças crónicas, QVRS e factores psicossociais. A Fase III usou dados transversais recolhidos em contexto clínico em 135 adolescentes (51.9% rapazes, 14±1.5 anos de idade), com diabetes mellitus, doenças alérgicas ou neurológicas. Foram feitas comparações estratificando para o tipo de doença, e entre adolescentes que se sentiam afectados/não afectados na participação escolar/social. A QVRS, saúde psicossomática, resiliência, auto-regulação e suporte social foram avaliados nesta fase. Os resultados (nove artigos científicos) sugeriram: 1) ao nível representativo nacional, os adolescentes com doenças crónicas apresentaram maiores riscos nas variáveis individuaispsicológicas e socio-contextuais, vs. adolescentes saudáveis. Os adolescentes com doenças crónicas mais vulneráveis eram mais velhos, raparigas, com estatuto socioeconómico mais baixo e os que se sentiam afectados na participação escolar; 2) a literatura demonstrou uma associação entre doenças crónicas na adolescência e resultados negativos na QVRS e funcionamento psicossocial, bem como escassez de estudos na adolescência como grupo etário independente; 3) no contexto clínico, as raparigas e adolescentes afectados na participação escolar/social apresentaram piores resultados na QVRS e funcionamento psicossocial; não se verificaram diferenças de acordo com o tipo de doença. Na totalidade do grupo, os adolescentes afectados na sua participação escolar/social reportaram resultados mais baixos na QVRS, saúde psicossomática, resiliência, auto-regulação e suporte social, especialmente QVRS e saúde psicossomática nas raparigas, vs. rapazes. Contudo, particularmente em algumas dimensões da QVRS, as variáveis saúde psicossomática, resiliência e auto-regulação tiveram mais impacto nos rapazes, e o suporte social nas raparigas. Saúde psicossomática, resiliência, auto-regulação e suporte social tiveram associação positiva com QVRS, mesmo quando combinadas com variáveis clínicas. Estes resultados em adolescentes Portugueses aumentam a compreensão do impacto da doença crónica na QV/QVRS e funcionamento psicossocial, realçando o papel relevante de factores protectores para resultados positivos. Evidenciaram ainda o desafio actual para a investigação e prática clínica que é a inclusão da avaliação regular destas variáveis em adolescentes, sugerindo uma abordagem multidimensional individualizada incluindo questionários de autopreenchimento, permitindo dar “mais voz” aos jovens e às suas necessidades. Identificar áreas de maior vulnerabilidade permitirá a optimização de recursos existentes e poderá auxiliar os profissionais de saúde na implementação de intervenções de apoio psicossocial multidisciplinares eficazes. É assim fortemente sugerida uma perspectiva abrangente com clínicos, escolas, famílias e pares, particularmente relevante para a realidade Portuguesa, dado que esta avaliação é pouco utilizada e as intervenções psicossociais são ainda escassas.
ABSTRACT--------- The impact of chronic disease on Quality of Life(QoL)/Health-related Quality of Life(HRQoL) and psychosocial functioning in adolescence is a complex phenomenon. This research work aimed to: 1) characterize QoL/HRQoL and psychosocial functioning in chronically ill adolescents at a national-representative level; 2) explore associations between chronic disease, QoL/HRQoL and psychosocial factors; and 3) characterize QoL/HRQoL and psychosocial functioning in chronically ill adolescents in a clinical context. This work comprised three phases. Phase I used cross-sectional data from the national study Health Behaviour in School-aged Children (2010), conducted in 5050 adolescents (52.3% girls, 14±1.85 years old). Comparisons between adolescents having/not having chronic disease were performed; afterwards within the chronically ill subgroup, adolescents feeling affected/not affected in school participation were compared. Individual-psychological variables (wellness perception, life satisfaction, psychological well-being) and also socio-contextual variables (satisfaction with family environment, perceived school performance, pressure with schoolwork and risk behaviours) were assessed. Phase II was a systematic review on the association between chronic disease, HRQoL and psychosocial factors. Phase III used crosssectional data collected in a clinical context in 135 adolescents (51.9% boys, 14±1.5 years old), with diabetes mellitus, allergic, or neurological diseases. Comparisons by type of chronic diseases were conducted, and then, between adolescents feeling affected/not affected in their school/social participation. HRQoL, psychosomatic health, resilience, self-regulation and social support were measured in this Phase. The main findings (set of nine scientific articles) suggested that: 1) at a national-representative level, adolescents with chronic diseases reported high risk on individual-psychological and socio-contextual outcomes, vs. healthy peers. The most vulnerable chronically ill adolescents were the older, girls, those with lower socioeconomic status and feeling affected in their school participation; 2) literature showed an association between having chronic disease in adolescence and negative HRQoL outcomes and psychosocial functioning, as well as lack of specific studies on adolescence as an independent age group; 3) in the clinical context, girls and adolescents who felt affected in their school/social participation, reported worse HRQoL outcomes and psychosocial functioning; no differences were observed by type of diseases. Considering the whole group, adolescents who felt affected in participation in school/social activities reported worse HRQoL, psychosomatic health, resilience, self-regulation and social support; girls had worse HRQoL and psychosomatic health, vs. boys. Psychosomatic health, resilience and self-regulation had a higher impact in some HRQoL’s dimensions for boys, whereas social support for girls. Overall, psychosomatic health, resilience, self-regulation and social support were positively associated with HRQoL, even when combined with clinical variables. These findings in Portuguese adolescents enhance the understanding of the impact of chronic disease on QoL/HRQoL and psychosocial functioning, underlining the role of protective factors on positive outcomes. It stressed as a current challenge for research and clinical practice, to include a routine assessment of these variables in adolescents, also suggesting a multidimensional and individualized approach, including self-reports to “give voice” to young people’s needs. Identifying impaired domains optimizes allocation of available resources and helps healthcare professionals to implement multidisciplinary and cost-effective interventions for psychosocial support. Ultimately, a wider framework with clinicians, schools, family, and peers is strongly suggested, particularly relevant for the Portuguese reality, since this assessment is not common and psychosocial interventions are still scarce.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Matos, Margarida Gaspar de ; Simões, Maria Celeste ; Machado, Maria do Céu
Assuntos: Teses de Doutoramento / Adolescentes / Doença crónica / Qualidade de vida / Factores psicossociais
Subject: Thesis / Adolescents / Chronic disease / Quality of life / Psychosocial factors
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4892
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES SANT/T1 ISPA 19984
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: PEREIRA, João Gabriel Rucha
Título: Resolução de conflitos internacionais [texto policopiado] : Estudo com militares em missões de paz / João Gabriel Rucha
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2016
Descrição física: 338 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- O objectivo principal desta tese é compreender como os Estilos de Gestão e Resolução de Conflitos podem influenciar as Estratégias de Resolução Pacífica e Cooperativa dos Conflitos Internacionais. Para atingir este objectivo, houve necessidade de analisar e aprofundar as técnicas de Resolução de Conflitos (mediação, negociação, conciliação, facilitação e caucus), bem como a sua aplicabilidade no contexto dos Estilos de Resolução Pacífica e Cooperativa de Conflitos Internacionais. É necessário estudar e compreender os conflitos internacionais passados, recentes e actuais para, a partir daí, criar fórmulas mais eficazes para a sua resolução (Nye, Jr, 2011). O Professor Irwin Deutscher alerta para a importância da antecipação nos casos de conflito através do método comparativo, para que seja possível fazer uma previsão do mesmo, utilizando posteriormente métodos de Resolução de Conflitos integrados na Psicologia da Paz, contribuindo assim para a Paz (Deutsch, 2005). A razão desta investigação é tentar demonstrar que, através da Resolução Pacífica de Conflitos Internacionais, é possível minimizar a instabilidade, a guerra e o terrorismo; sugerir conceitos e métodos mais adequados, pretendendo ser um contributo para a obtenção da Paz, a redução da insegurança e da exclusão social, a sensibilização dos responsáveis políticos e outros, um possível guia de trabalho para os peacekeepers e mediadores/negociadores de conflitos internacionais e outros técnicos destas áreas, chamando a atenção para a necessidade de intervenções precoces como forma de prevenção e de mudança de alguns paradigmas, que permitam melhorar as políticas comuns de segurança, de defesa e de Resolução de Conflitos. Este estudo foi feito através de uma revisão crítica da literatura. Para além disso, e dado que as teorias científicas devem ser baseadas na observação de factos, foram utilizados dois instrumentos, uma entrevista e um questionário sobre Resolução de Conflitos, que foram aplicados a militares portugueses que estiveram envolvidos em Missões de Paz no estrangeiro, analisando posteriormente esses resultados, que fazem parte do estudo empírico. Assim, este estudo sugere que os Estilos e as técnicas/métodos de Gestão e Resolução de Conflitos Internacionais devem ser adaptados aos objectivos e às características de cada conflito, partindo do conhecimento dos métodos aplicados às situações reais estudadas, das opiniões e experiências dos militares, e dos resultados obtidos nestas situações, para, a partir daí, e com fundamentação teórica e científica, poder fazer a sua aplicação. Com este trabalho, pretendemos fazer uma síntese das evidências mais recentes sobre os conflitos internacionais, a sua compreensão e análise, bem como identificar os Estilos preferidos de Gestão e Resolução de Conflitos dos peacekeepers portugueses, para podermos encontrar melhores Estratégias de Resolução destes problemas em conflitos actuais e futuros, com o consequente benefício para as comunidades envolvidas. Após esta investigação (Teoria e Método), que incluiu a revisão da literatura, a análise dos questionários (N=265) e das entrevistas (N=6), aplicados aos peacekeepers portugueses que participaram no nosso estudo, concluímos que estes podem utilizar vários Estilos de Gestão e Resolução de Conflitos, sendo que o predominante é o Estilo Colaborativo, que expressa uma Assertividade e Cooperação acima da média, onde se combina a atitude de comprometimento, com o acolhimento e a reconciliação, levando a uma solução win-win.
ABSTRACT--------- The main goal of this thesis is to understand how the Conflict Management and Resolution Styles may influence the Strategies for the Peaceful and Cooperative International Conflict Resolution. To achieve this goal, it was necessary to analyze and deepen the Conflict Resolution techniques (mediation, negotiation, conciliation, facilitation and caucus), and its applicability on the context of Peaceful and Cooperative International Conflict Resolution Styles. It is necessary to study and to understand past, recent and current international conflicts, to, from there, create more effective formulas for their resolution (Nye, Jr., 2011). Professor Irwin Deutscher highlights the importance of anticipation in cases of conflict through the comparative method, so that we can make the same prediction, later using methods of Conflict Resolution embedded in Peace Psychology, thus contributing to Peace (Deutsch, 2005). The reason for this investigation is to try to show that, through the International Peaceful Conflict Resolution, we can minimize instability, war and terrorism, claiming to be a contribution to attaining peace, reducing insecurity and social exclusion, the awareness of policymakers and others, a possible working guide for peacekeepers and mediators / negotiators of international conflicts and other technical personnel in these areas, drawing attention to the need for early intervention as a way to prevent and change some paradigms, policies to improve common security, defense and Conflict Resolution. We chose to do this study through a meta-analysis. Furthermore, given that scientific theories must be based on observation of facts, we used two instruments, an interview and a questionnaire of Conflict Resolution, which were applied to Portuguese soldiers who were involved in Peace Missions abroad, and then analyzing these results, which are part of the empirical study. Thus, this study suggests that Styles and techniques/methodologies for International Conflict Management and Resolution should be adapted to the objectives and to the characteristics of each conflict, starting from the knowledge of the methodologies applied to real situations studied, the opinions and experiences of the soldiers, and the results obtained in such cases, in order to, from there, and with theoretical and scientific basis, be able to make their application. With this work, we intend to do a comprehensive summary of the latest evidence on international conflicts, their understanding and analysis, as well as identify the style of Conflict Management and Resolution preferred by Portuguese peacekeepers, in order to find better Strategies for the Resolution of these problems in current and future conflicts, with a consequent benefit to the communities involved. After this investigation (Theory and Method), which included a literature review, analysis of the questionnaires (N=265) and the interviews (N=6), applied to the Portuguese peacekeepers who participated in our study, we conclude that they can use several Conflict Management and Resolution Styles, being the Collaborative Style the most predominant one, expressing this way Assertiveness and Cooperation above average, which combines the commitment of Attitude, with the Host and Reconciliation, leading to a win-win solution.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) José H. Ornelas
Assuntos: Teses de Doutoramento / Resolução de conflitos / Psicologia da paz / Peacekeepers / Segurança
Subject: Thesis / Conflict resolution / Peace psychology / Security
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4895
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES PERE/J1 ISPA 19983
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: SANCHES, Ana Cristina Pires
Título: Experiências de (in)justiça com os professores e comportamentos de desvio na adolescência [texto policopiado] / Ana Cristina Pires Sanches
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 261 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Apesar da extensa literatura na área do desvio juvenil, as evidências empíricas sobre a relação entre as experiências e julgamentos de (in)justiça procedimental relativos aos professores e o envolvimento dos adolescentes em comportamentos desviantes são escassas. Os estudos empíricos aqui apresentados pretendem contribuir para o preenchimento desta lacuna na literatura. Os adolescentes passam grande parte do seu tempo na escola e com os professores, que são a única figura de autoridade formal com quem têm um contacto direto e diário. Dado que as perceções e experiências de (in)justiça procedimental têm fortes implicações identitárias (Lind & Tyler, 1988; Tyler & Blader, 2003), é expectável que a qualidade e a justiça do tratamento recebido da parte dos professores tenha um forte impacto emocional e comportamental nos adolescentes. Conjugando a teoria da delinquência juvenil proposta por Emler e Reicher (1995, 2005) com os Modelos Relacionais de Justiça (Lind & Tyler, 1988; Tyler & Lind, 1992), no primeiro artigo apresentamos um estudo correlacional no qual analisámos a hipótese da relação entre os julgamentos de (in)justiça acerca dos professores e os comportamentos de desvio dos adolescentes ser mediada pela avaliação das autoridades institucionais. Os resultados confirmaram a nossa hipótese, indicando que quanto mais os adolescentes percecionam os seus professores como justos do ponto de vista procedimental e relacional, mais positivamente avaliam também outras autoridades institucionais. Por sua vez, quanto mais positiva é a avaliação dessas autoridades, menor é o seu envolvimento em condutas desviantes, mesmo depois de controlado o efeito do insucesso escolar. No segundo artigo apresentamos o desenvolvimento e o estudo das qualidades psicométricas da Escala de Variedade de Comportamentos Desviantes (EVCD), dada a inexistência de escalas portuguesas desta natureza publicadas e validadas. Os resultados confirmaram a validade fatorial, convergente e discriminante da EVCD, bem como a sua elevada consistência interna, indicando que este é um recurso válido e fiável de auto relato para avaliar a variedade de comportamentos desviantes cometidos por adolescentes portugueses. Dado que a investigação realizada com adultos indica que nem sempre as perceções e experiências de injustiça com as autoridades provocam reações desviantes (e.g. Aquino, Tripp, & Bies, 2006; Hershcovis, et al., 2007), o terceiro artigo apresenta os resultados de dois estudos experimentais que analisaram a influência de duas variáveis moderadoras da relação (in)justiça procedimental-desvio: os julgamentos prévios dos adolescentes acerca das autoridades institucionais (estudo 1) e as preocupações com a pertença e a aceitação pelos colegas de turma (estudo 2). Os resultados do primeiro estudo confirmaram a hipótese colocada, mostrando que os adolescentes têm uma maior tendência para se envolverem em condutas desviantes em resposta ao tratamento injusto do professor mas apenas quando os seus julgamentos prévios são negativos. Os resultados do segundo estudo confirmaram também as nossas hipóteses, mostrando que a injustiça procedimental do professor provocou sentimentos de zanga e de exclusão social independentemente das preocupações dos adolescentes com a pertença e a aceitação pelos colegas de turma, mas apenas aqueles cujas preocupações eram baixas apresentaram uma maior tendência para reagir envolvendo-se em condutas desviantes.
ABSTRACT---------- Despite the extensive literature on youth deviance, empirical evidence on the relationship between judgments and experiences of teachers’ procedural (in)justice and adolescents’ involvement in deviant conducts are scarce. The empirical studies here presented are intended to contribute to fullfill this gap in the literature. Adolescents spend much of their time at school and with their teachers, who are the only formal authority figure with whom they have a direct and daily contact. Since the perceptions and experiences of procedural (in)justice have strong identity implications (Lind & Tyler, 1988; Tyler & Blader, 2003), the quality and the fairness of the treatment received from teachers is expected to have a strong emotional and behavioral impact on adolescents. Bringing together the theory of juvenile delinquency proposed by Emler and Reicher (1995, 2005) with the Relational Models of Justice (Lind & Tyler, 1988; Tyler & Lind, 1992), in the first paper we present a correlational study in which we examined the hypothesis that the relationship between justice judgments about teachers and adolescents’ deviant behavior is mediated by the evaluation of institutional authorities. The results confirmed our hypothesis, indicating that the more adolescents perceive their teachers as fair, both proceduraly and interpersonaly, more positively they evaluate other institutional authorities. In turn, the more positive is the evaluation of these authorities, the lower their involvement in deviant conducts, even after controlling for the effect of school failure. In the second paper we present the development and study of the psychometric properties of the Deviant Behaviour Variety Scale (DBVS), given the absence of published and validated Portuguese scales of this nature. The results confirmed the factorial, convergent and discriminant validity of the DBVS, as well as its high reliability, indicating that this is a valid and reliable self-report resource to assess the variety of deviant behavior committed by Portuguese adolescents. Given that research conducted with adults indicates that the perceptions and experiences of injustice with authorities do not always cause deviant reactions (e.g. Aquino, Tripp, & Bies, 2006; Hershcovis, et al., 2007), the third paper presents the results of two experimental studies examining the influence of two moderating variables of the (in)justice-deviance relationship: adolescents’ previous judgments on institutional authorities (study 1) and their concerns on belonging and acceptance by classmates (study 2). The results of the first study confirmed our hypothesis, showing that adolescents are more likely to engage in deviant behavior in response to the teacher’ unfair treatment but only when their previous judgments were negative. The results of the second study also confirmed our hypotheses, showing that teachers’ procedural injustice elicited feelings of anger and of social exclusion regardless of adolescents’ concerns on belonging and acceptance by classmates, only those whose concerns were low were more likely to react with deviant behavior.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Maria Gouveia Pereira <Felice Carugati
Assuntos: Teses de Doutoramento / Comportamentos de desvio / Justiça procedimental / Autoridades / Pertença e aceitação / Adolescência
Subject: Thesis / Deviant behavior / Procedural justice / Authorities / Belonging and Acceptance / Adolescence
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4891
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES SANC1 ISPA 19982
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: por



Marcar

Autor: ALEIXO, Pedro Jorge Morais
Título: O Eu neurológico [texto policopiado] : a consciência / Pedro Jorge Morais Aleixo
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 305 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A complexa relação entre processos psíquicos conscientes e inconscientes constitui a base sobre a qual assenta o edifício teórico da psicanálise. Psicanálise que postula o inconsciente como o centro da nossa vida psíquica. As neurociências, apesar de também considerarem que a maior parte da nossa vida mental ocorre a um nível inconsciente, têm centrado as suas investigações nas relações entre o cérebro e a consciência. Como é que surge a consciência é uma das questões que o presente trabalho se propõe discutir, numa interface entre a psicanálise e as neurociências. E como é que as perturbações da consciência, postas em relevo pela investigação psicanalítica, podem ser compreendidas pelas neurociências? A articulação e a convergência entre os processos que são psíquicos, mas também neuronais, levaram-nos à formulação do conceito de Eu neuropsíquico e, porque há uma relação estreita entre os processos neuropsíquicos e o corpo, cunhámos também o conceito de Eu neuropsicossomático. É um Eu que, sob a influência da relação de/com objetos, emerge e, simultaneamente, determina a complexa inter-relação entre os processos mentais e neuronais organizados num reticulado pluridimensional feito de ligações espaçotemporais locais e, conjeturamos, não-locais. É este complexo inter-relacional que dá o sentimento de unidade ao Eu neuropsíquico, Eu que mostra a forma como o sujeito vive e se vive na relação consigo e com os outros, que revela o modo de ser e de estar no mundo, forma e modo que são expressões da consciência de si. Do presente estudo concluiu-se que a consciência tem uma ligação estreita com as experiências vividas e sentidas, com as experiências observadas e representadas, experiências guardadas nas memórias (conscientes e inconscientes). Concluiu-se também que, sob a influência de fatores psico-sócio-neurobiológicos, a consciência evolui por níveis, que coexistem ao longo do desenvolvimento, podendo, uma vez alcançado um nível superior, haver regressões a níveis anteriores. Destes níveis, emergem formas diferentes de pensamento (consciente e inconsciente). Consideramos, ainda, a possibilidade de os processos inconscientes e conscientes se desenrolarem em diferentes dimensões de espaço-tempo e que é o desenvolvimento de processos inscritos numa lógica fundada na tetradimensionalidade que faz emergir a consciência superior/reflexiva.
Notas gerais: ABSTRACT----------The complex relationship between conscious and unconscious psychic processes, is the basis in which theoretical psychoanalysis foundations are edified. Psychoanalysis defends that the unconscious is the center of our psychic life. The neurosciences, although also consider that most of our mental life occurs at an unconscious level, have focused its investigations into the relationship between the brain and consciousness. How does consciousness arise is one of the questions that this study aims to discuss, at an interface between psychoanalysis and neurosciences. How disturbances of consciousness, highlighted by the psychoanalytic research, can be understood by the neurosciences? The articulation and the convergence of processes that are psychic, but also neuronal, led us to the formulation of the concept of the neuropsychic-Self and, because there is a close relationship between neuropsychic processes and the body, we have also coined the concept of the neuropsychosomatic-Self. It is a Self that, under the influence of the relationship of/with objects emerges and simultaneously determines the complex interrelationship between mental and neural processes organized in a multi-dimensional network made of local space-time connections and, conjeturally, nonlocal. It is this inter-relational complex that gives the feeling of the unity of the neuropsychic-Self, Self that shows how the subject lives and if he lives in the relationship with himself and others, revealing the way of being and living in world, the shape and way that are expressions of the self-consciousness. With this study, it was concluded that consciousness is closely connected with the experiences that are felt and lived, with experiences that observed and represented, with experiences kept in memory (conscious and unconscious). It was also established that under the influence of psycho-social and neurobiological factors, consciousness evolves by levels, that coexist throughout the development, that can, once reached a higher level, have regressions to previous levels. From these levels, different ways of thinking emerge (conscious and unconscious). We also consider the possibility of the unconscious and conscious processes developing in different dimensions of space-time and that it is the development of processes enrolled in a tetra-dimensionality logic that brings out the superior/reflective consciousness.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Emilio Salgueiro
Assuntos: Teses de Doutoramento / Cérebro / Consciência / Eu neuropsíquico / Inconsciente
Subject: Thesis / Brain / Consciousness / Neuropsychic-Self / Unconscious
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4844
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES ALEI1 ISPA 19979
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: por



Marcar

Autor: SOARES, André Escórcio
Título: Psychological safety, authentic leadership and social networks [texto policopiado] : A psycho-structural approach to the study of groups / André Escórcio Soares
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 144 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A investigação recente acerca de grupos e equipas tem-se desenvolvido fundamentalmente em torno de duas tradições: a dos constructos psicológicos partilhados, primordialmente ligada à psicologia e a da perspetiva estrutural, mais ligada à sociologia, aos estudos organizacionais e à teoria acerca da análise de redes sociais. Esta tese pretende integrar estas duas perspetivas numa lógica mais holística, aqui apelidada de perspetiva psico-estrutural no estudo de grupos e equipas. Assim, esta tese tem como objetivo explorar a relação entre a relação entre a segurança psicológica, a liderança autêntica e a análise de redes sociais. A relação entre estas três componentes permitiu o desenvolvimento de três artigos baseados numa visão psico-estrutural das dinâmicas dos grupos. Por fim, esta tese teve como objetivo estender o estudo da segurança psicológica, liderança autêntica e redes sociais ao contexto do ensino superior. Esta opção parte duma perspetiva que realça a importância do desenvolvimento de conhecimento dentro da psicologia numa lógica multi-contextual. Com vista ao alcance destes objetivos foram submetidos três artigos para três revistas científicas de cariz internacional. O primeiro artigo, já publicado, diz respeito ao desenvolvimento de um modelo conceptual de influência das redes sociais no desenvolvimento da segurança psicológica do grupo. Neste sentido, apresenta proposições relacionadas com a influência dos membros centrais das redes na segurança psicológica dos grupos e equipas, através de um processo de contágio social. O segundo artigo é de natureza empírica e tem como principal objetivo estudar a relação entre a liderança autêntica, a segurança psicológica e a performance académica de alunos do ensino superior. Os resultados deste artigo permitem concluir que tanto a segurança psicológica como a liderança autêntica têm um impacto positivo na performance académica. Testou-se ainda o papel da segurança psicológica enquanto mediadora da relação entre a liderança autêntica e a performance académica, sendo que, no entanto, os resultados não suportam a existência deste efeito de mediação. Por fim, o terceiro artigo desta tese tem um formato empírico e teve como objetivo dar seguimento aos estudos sugeridos no segundo artigo ao avançar com a densidade enquanto medida de rede social como uma variável importante na relação entre segurança psicológica, ensino autêntico e performance académica. Uma das contribuições deste artigo prende-se com o desenvolvimento do conceito de ensino autêntico (authentic teachership) a partir da teoria acerca de liderança autêntica. Os resultados deste estudo permitem concluir que existe uma relação positiva entre a densidade e o ensino autêntico, a segurança psicológica e a performance académica. No global, os resultados dos estudos incluídos nesta tese ilustram as oportunidades que se podem abrir na compreensão das dinâmicas dos grupos e equipas, através da utilização de uma abordagem psico-estrutural. Mais concretamente, os resultados dos estudos incluídos nesta tese permitem concluir que a liderança autêntica e a segurança psicológica estão positivamente relacionadas com as redes sociais, e mais explicitamente com a densidade, e que exercem um impacto positivo na performance académica de estudantes do ensino superior. Desta forma, a presente tese contribui para o desenvolvimento de uma nova abordagem não só no estudo da performance académica de estudantes do ensino superior mas também na compreensão na importância das dinâmicas de grupos e equipas em geral.
ABSTRACT--------- Recent research about groups and teams have been developed mainly around two traditions: psychological shared constructs, fundamentally from psychology and the structural perspective, more related with sociology, organisational studies and social network analysis. This thesis aims to integrate these two perspectives in a single and holistic one, here named by psycho-structural perspective on the study of groups and teams. On the other hand, this thesis has the objective of exploring the relationship between psychological safety, authentic leadership and social network analysis. The relationship between these three components allowed the development of three articles based on a psycho-structural view of group dynamics. Finally, this thesis has the objective of extend the study of psychological safety, authentic leadership and social networks to the higher education context. This choice is based on a perspective that highlights the importance of the development of psychological knowledge taking into account a multi-contextual perspective. Three articles have been submitted to international journals to achieve these objectives. The first article presents a conceptual model about the influence of social network on the development of psychological safety. Thus it presents several propositions related with the influence of central members of social networks on the psychological safety of groups and teams through a process social contagion. The second article is an empirical article and has as the main objective study the relationship between authentic leadership, psychological safety and academic performance of students from higher education. Based on the results of this article we may conclude that both psychological safety and authentic leadership have a positive impact on the academic performance. It was also teste the role of psychological as a mediator of the relationship between authentic leadership and academic performance. However the results don’t support the existence of this mediation effect. Finally, the third article of this thesis is an empirical article and has the objective of complete the third article by advancing with network density as an important variable on the relationship between psychological safety, authentic teachership and academic performance. One of the contributions of this article is the development of the concept of authentic teachership based on the theory about authentic leadership. The results of this study support the existence of a positive relationship between Globally the results of the studies included in this thesis illustrate the opportunities that may emerge for the development of the understanding of group and team dynamics through the use of a psycho-structural approach. More concretely, the results included in this thesis conclude that authentic leadership and psychological safety are positively related with social networks, more precisely with network density, and have a positive impact on the academic performance of students from higher education. Therefore, this thesis contributes for the development of a new approach, not only on the study of academic performance of students from higher education, but also on the understanding of group and team dynamics in general.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Miguel Pereira Lopes
Assuntos: Teses de Doutoramento / Segurança psicológica / Professores autênticos / Redes sociais / Perspetiva psico-estrutural
Subject: Thesis / Psychological safety / Authentic teachership / Social networks / Psycho-structural approach
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4664
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES SOAR1 ISPA 19940
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: COUTO, Marta Barley de la Cueva
Título: Contraexemplos e raciocínio dedutivo [texto policopiado] / Marta Barley de la Cueva Couto
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 195 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Este trabalho foi desenvolvido com o objectivo de contribuir para uma compreensão mais alargada do modo como os sujeitos utilizam os contraexemplos no raciocínio condicional, quando são utilizados conteúdos que remetem para situações comuns do quotidiano. Não existem dúvidas de que as pessoas são capazes de recuperar contraexemplos, vários estudos atestam esta capacidade (e.g. Couto, Quelhas & Juhos, 2010; De Neys & Everaerts, 2008; De Neys, Schaeken & D’ydewalle, 2002; Neys, Schaeken & d'Ydewalle, 2003b;Verschueren, Schaeken, De Neys & d'Ydewalle, 2004). No entanto, a forma como os sujeitos recuperam e utilizam contraexemplos, carece ainda de esclarecimentos. Para cumprir este objectivo geral, construímos dois conjuntos de experiências que incidem em dois factores importantes. Em primeiro lugar investigámos a recuperação de contraexemplos e aceitação de inferências, com avisos e conselhos. Na experiência 1, verificámos que os sujeitos são capazes de gerar contraexemplos para ambos os tipos de frase, mas não o fazem com igual frequência para avisos e conselhos. Em seguida, nas Experiências 2 e 3 investigámos o impacto da disponibilidade (Experiência 2) e da recuperação (Experiência 3) de contraexemplos, nas inferências que os sujeitos fazem, tendo concluído com alguma surpresa que este impacto é muito pequeno ao contrário do que se sabe acontecer com condicionais causais (e.g. Byrne, Espino & Santamaria, 1999; Couto, Quelhas & Juhos, 2010; Cummins, 1995; Cummins, Lubart, Alksnis & Rist, 1991). Ainda no primeiro no conjunto de experiências, avaliámos os padrões de interpretação que os sujeitos fazem com base nestas condicionais (Experiência 4), tendo concluído que existe uma variabilidade grande das interpretações que os sujeitos fazem. No segundo conjunto de experiências, recorremos a frases causais para estudar o impacto da recuperação de contraexemplos adicionais. A Experiência 5 demonstra que a recuperação de contraexemplos é um processo pouco fluente e que esta sensação de falta de fluência afecta o valor que os sujeitos atribuem aos contraexemplos, conduzindo a um padrão de supressão de inferências contrário à informação que foi recuperada. A Experiência 6 esclarece que o padrão de supressão reportado na Experiência 5 se deve às dificuldades de recuperação dos contraexemplos. Quando estes são fornecidos aos sujeitos, em vez de recuperados da memória, o padrão de supressão corresponde ao conteúdo que foi apresentado, ou seja, mais contraexemplos conduzem a maior supressão. Na Experiência 7 confrontámos contraexemplos e a frequência de Excepções, tendo concluído que os sujeitos parecem preferir a informação probabilística, à informação que decorre dos contraexemplos. No geral, os nossos resultados mostram três factos importantes. Em primeiro lugar que o conhecimento que é recuperado durante o raciocínio tem diferentes funções para diferentes tipos de condicionais, isto é, os contraexemplos recuperados para Advice têm uma função diferente dos contraexemplos recuperados para condicionais causais. Além disto, mostra ainda que o processo de recuperação de contraexemplos é pouco fluente e as pessoas parecem preferir utilizar a informação probabilística. Por fim, esclarece que os dois factores acima mencionados ajudam a explicar as diferenças que têm sido encontradas na literatura sobre o peso que cada contraexemplo adicional tem na aceitação de inferências.
ABSTRACT--------- We have developed this thesis with the goal of contributing to a larger understanding of the way in which people use counterexamples during conditional reasoning, when they reason about contents that refer to situations that are common on their daily lives. There is no doubt that people are able to retrieve counterexamples, and many studies attest this ability (e.g. Couto, Quelhas & Juhos, 2010; De Neys & Everaerts, 2008; De Neys, Schaeken & D’ydewalle, 2002; Neys, Schaeken & d'Ydewalle, 2003b;Verschueren, Schaeken, De Neys & d'Ydewalle, 2004). However, the way in which people retrieve and use counterexamples is still in need of some enlightenment. In order to attain our goal, we have developed two sets of experiments, which focus on two important factors. We started by investigating the counterexample retrieval and endorsement of inferences for advice conditionals. On the first experiment, we verified that subjects are capable of generating counterexamples to advice conditionals, but they do it differently for tips and warnings. Following this, on Experiments 2 and 3 we evaluated the impact of the availability (Experiment 2) and the retrieval (Experiment 3) of counterexamples, on the inferences that people draw from advice. Surprisingly, we have concluded that this impact is very little, contrary to what has been found for causal conditionals (e.g. Byrne, Espino & Santamaria, 1999; Couto, Quelhas & Juhos, 2010; Cummins, 1995; Cummins, Lubart, Alksnis & Rist, 1991). Finally, on this first set of experiments, we also investigated the interpretations that people make, based on tips and warnings (Experiment 4), and we concluded that there is an enormous variability of interpretations from advice conditionals. On the second set of experiments, we resorted to causal conditionals to study the impact that retrieving additional counterexamples has on conditional inferences. Experiment 5 shows that retrieving counterexamples is not a fluent process, and that this lack of fluency has a deep impact on the value that people attribute to the retrieved counterexamples, thus leading to a pattern of suppression that is contrary to the information that was recovered. Experiment 6 clarifies that the pattern of suppression reported on Experiment 5 is due to difficulties in the retrieval process. When counterexamples are presented instead of retrieved from memory, the suppression of inferences is compatible with the information that was presented to the participants, that is, more contrerexamples equal more suppression of inferences. On Experiment 7, we confronted counterexamples and the frequency of exceptions, and we concluded that subjects show a preference for probabilistic information, rather than counterexample information, when they make conditional inferences. Overall, our results show three important factors. First, the knowledge retrieved during reasoning has different purposes for different sorts of conditionals, i.e., counterexamples recovered for Advice have a different purpose than counterexamples recovered for causal conditionals. Our results also show that counterexample retrieval is not a fluent process and that people prefer to use probabilistic information. The results above mentioned, aid in explaining the differences that have been found about the weight that additional counterexamples have on inference acceptance rates.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Ana Cristina Quelhas Ruth Byrne
Assuntos: Teses de Doutoramento / Contraexemplos / Raciocínio dedutivo / Raciocínio condicional
Subject: Thesis / Counterexamples / Deductive reasoning / Conditional reasoning
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4663
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES COUT/M1 ISPA 19939
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: FERRAJÃO, Paulo Alexandre da Silva Correia
Título: Da sobrevivência física à sobrevivência mental [texto policopiado]: Aspectos do funcionamento psíquico em ex-combatentes da guerra colonial portuguesa / Paulo Alexandre da Silva Correia Ferrajão
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 330 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Enquadramento: A traumatização de guerra associada à perpetração e/ou testemunho de violência e os processos associados à recuperação da Perturbação de Stresse Pós-Traumático (PSPT) em ex-combatentes, são dois temas que têm merecido pouca atenção por parte da investigação científica. O impacto das consequências psicossociais da experiência de guerra na identidade dos indivíduos e a relação dessas variáveis com os processos internos e nas relações com os outros são dois temas considerados relevantes nestes processos, embora ainda pouco estudados. Objectivos: A presente Dissertação teve como propósito produzir alguma evidência acerca dos tópicos referidos. Com estes estudos pretendemos explorar a experiência do processo de traumatização de guerra, os factores que influenciam as mudanças na identidade dos ex-combatentes, e as estratégias mentais utilizadas no coping das consequências da traumatização. Outro objectivo foi a investigação preliminar de potenciais relações entre variáveis como a função reflexiva, a reparação moral, percepção de suporte social, e o dano moral nos níveis de PSPT e Depressão. Método: Para atingir os objectivos deste estudo, delineamos três investigações independentes. No Estudo 1, a amostra era constituída por 120 ex-combatentes da Guerra Colonial Portuguesa (GCP) que recebiam tratamento clínico. Foi efectuado um estudo correlacional onde analisámos o efeito da exposição ao combate, o testemunho e a prática de violência abusiva, e do senso de coerência no desenvolvimento da PSPT e Depressão. Foram efectuadas análises de regressão logística binomial independentes e análises de regressão. No Estudo 2, a amostra era constituída por 60 ex-combatentes da GCP: um grupo com PSPT crónica (n=30) e um grupo com remissão da PSPT (n=30). A exploração das experiências traumáticas e dos factores atribuídos à restauração da resiliência foram recolhidas através duma metodologia qualitativa, com recurso a entrevistas semi-estruturadas realizadas individualmente a cada participante. No Estudo 3, a amostra era idêntica à do estudo anterior, tendo sido efectuado um estudo correlacional com delineamento de métodos mistos. A análise do conteúdo das entrevistas para ambos os estudos foi realizada com base no método de codificação categorial não indutivo de Bardin. Os níveis da PSPT e Depressão foram avaliados, respectivamente, através do Impact of Event Scale - Revised e do Brief Symptom Inventory. Resultados: Os resultados do Estudo 1 revelaram que a participação e o testemunho de violência abusiva, e níveis mais reduzidos de senso de coerência associavam-se a probabilidades mais elevadas de exceder o ponto de corte para o diagnóstico de Depressão. Todas as variáveis associavam-se a probabilidades mais elevadas de exceder o ponto de corte para diagnóstico da PSPT. O senso de coerência era uma variável mediadora do efeito da exposição ao combate e do testemunho de violência abusiva nos níveis de PSPT e Depressão. No Estudo 2, foram identificados seis temas atribuídos à recuperação ou manutenção da perturbação: stressores de guerra, acontecimentos de vida stressores, estratégias mentais e de coping, auto-integração de experiências morais incongruentes nos esquemas pessoais, auto-compreensão dos estados mentais, e suporte social percebido. Estes temas suportaram um modelo compreensivo do processo de recuperação da traumatização de guerra, com base na reconciliação das experiências moralmente discrepantes nos esquemas do Self, e desenvolvimento de maior compreensão dos estados mentais do Self. No Estudo 3, a compreensão dos estados mentais e a integração de experiências de dano moral nos ix esquemas pessoais eram variáveis preditoras dos níveis da PSPT e Depressão, enquanto o nível de exposição ao combate era preditor do nível da PSPT. Conclusões: A traumatização de guerra parece constituir um processo de confronto cumulativo com acontecimentos disruptivos e stressores não traumáticos na guerra, e com as consequências biopsicossociais da experiência no pós-guerra. A reconciliação das representações associadas à traumatização no sistema de representações globais do Self e a função reflexiva surgiram como duas variáveis chave no processo de restauração da resiliência, apresentando um efeito transformador na restauração da coerência do Self dos indivíduos. A restauração de capacidades de resiliência associa-se à posse, ou restauração, de recursos intrapsíquicos e a mobilização de recursos ambientais. A associação verificada entre a função reflexiva e a reconciliação das representações associadas à traumatização no sistema de representações globais do Self com os níveis de PSPT e Depressão sugerem que a reorganização da estrutura psíquica e dos padrões interpessoais formam uma complexa matriz intrapsíquica subjacente às mudanças dos sintomas.
ABSTRACT--------- Background: War trauma related to perpetration and/or witnessing violent acts, and the processes related to recovery from Post traumatic stress disorder (PTSD), among war veterans, has deserved littlen attention by research in general. The psychological impact of psychosocial consequences of war experience on personal identity and the association of those variables with both the intrapsychic processes and the Self-other relationship have been stressed by some studies. However, little is known about it. Aims: The current Dissertation aimed at filing in the knowledge gap regarding these topics. We intended to explore the experience of war traumatization, the factors involved in identity changes, and the mental strategies used to cope with consequences of war traumatic events among war veterans. In addition, we aimed at exploring a possible connection between the most relevant emerged variables of these experiences and the PTSD and depressive levels: moral injury, reflexive function, moral repair, and perceived social support. Method: Three independent studies were performed, all cross-sectional. In Study 1, sample was composed of 120 Portuguese Colonial War veterans (mean age= 64 years old; age range: 59-72) receiving both psychiatric and psychological treatment. It was conducted a correlational study to analyse the effects of three war components - combat exposure , observation of abusive violence, and participation in abusive violence - and sense of coherence on the development of both PTSD and Depression. All variables were assessed using self-report measures. A binomial logistic regression analysis was performed to determine the effects of these variables on depression and PTSD diagnosis. Mediation test was performed by conducting several hierarchical regression analyses. In Study 2, participants were a sample (N=60) of war veterans (mean age= 64 years old; age range: 59-72): 30 suffered from chronic PTSD and 30 veterans with remission from PTSD. Qualitative data on the war traumatic experiences and the factors attributed to resiliences restoration was collected by two semi-structured interviews for each patient. In Study 3, the sample was the same as the previous study; a naturalistic study was conducted using both qualitative and quantitative methods. In both studies (Studies 2 and 3) analysis of the interviews was conducted using the Thematic and Categorical Analysis proposed by Bardin. PTSD and Depression levels were assessed, respectively, using the Impact of Event Scale - Revised (IES-R; Weiss & Marmar, 1997) and the Brief Symptom Inventory (BSI; Derogatis & Melsaratos, 1983). Results: Data from Study 1 showed that observation and participation in abusive violence, and lower levels of sense of coherence were associated with increased odds for exceeding the clinical cutoff scores for diagnosis of depression. All variables were associated with increased odds for exceeding the clinical cutoff scores for diagnosis of PTSD. In mediation analysis, sense of coherence was a full mediator of the effects of observation of abusive violence and combat exposure on both depression and PTSD symptoms. Qualitative data from the study 2, on the factors attributed to recovery from posttraumatic disturbance retrieved six themes: war zone stressors, stressful life events, mental and coping strategies, self-integration in personal schemas of morally incongruent experiences, self-awareness of mental states, and perceived social support. These results supported a new model for the recovery from war traumatization, based on individual’s reconciliation of morally discrepant experiences in their self- and relational-schemas, and development of higher self-awareness of their own mental states. In Study 3, self-integration of moral injury in personal schemas and self- xi awareness of mental states were predictors of both PTSD and depression symptoms. Combat exposure was a predictor of PTSD symptoms. Conclusions: In the three studies, war traumatization involved a cumulative process of exposure to disruptive events (victimization or perpetration) and non-traumatic events, and the exposure to post-war biopsychosocial consequences. The reconciliation of mental representations related to war in global self- and relational-schemas, and reflexice function play a pivotal role in resilience restoration, suggesting the potential transformative effect of these processes on restoring the perception of Self continuity and coherence. The restoration of resilience abilities seems to be related to possession, or restoration, of both intrapsychic resources and mobilization of environmental resources. The relationship found between the variables related to the recovery from posttraumatic experiense and both PTSD and depressive levels suggest that the reorganization of both psychic structure and interpersonal patterns encompass an inthapsychic complex matrix underlying changes in symptom severity.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Victor Cláudio
Assuntos: Teses de Doutoramento / Perturbação de stresse pós traumático / Ex-combatentes / Resiliência / Processos internos
Subject: Thesis / Posttraumatic stress disorder / War veterans / Resilience / Internal processes
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4662
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES FERR/P1 ISPA 19938
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: BALOLA, Michele Ferreira
Título: Ecos emocionais das minhas memórias [texto policopiado]: Memórias autobiográficas voluntárias e involuntárias na depressão major / Michele Ferreira Balola
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 272 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Esta investigação partiu do objectivo geral de estabelecer uma relação entre memórias autobiográficas, esquemas precoces desadaptativos, vinculação e relações interpessoais na génese e manutenção da depressão major. Procurou ainda analisar a evocação de memórias autobiográficas involuntárias na depressão major. A depressão é uma perturbação emocional com uma elevada prevalência, em que se verificam alterações cognitivas ao nível mnésico, designadamente na memóra autobiográfica. A vinculação, esquemas e relações interpessoais parecem relacionar-se com a memória autobiográfica, aspectos que em conjunto podem ser factores importantes à compreensão da depressão e sua manutenção. Os resultados observados apontam, nos sujeitos deprimidos, para a evocação de memórias autobiográficas de valência emocional negativa e para a diminuição da especificidade da memória. Estes resultados foram também observáveis no grupo de sujeitos com ansiedade generalizada. O mesmo não se verificou nos sujeitos sem alteração psicopatológica que, apresentaram um predomínio de acontecimentos de valência emocional positiva, sendo igualmente específicos. Os acontecimentos de valência emocional negativa e os esquemas precoces demonstraram ser variáveis determinantes para a depressão. Constatámos uma tendência, para na presença de esquemas precoces existir uma maior evocação de informação de valência emocional negativa. Estes acabam por se reforçar mutuamente, levando também ao reforço do ciclo depressivo. Na evocação de memórias autobiográficas involuntárias, os sujeitos deprimidos evocaram um maior número de acontecimentos de valência emocional negativa e de acontecimentos específicos, embora ao nível da valência se tenha verificado uma tendência para a recuperação de informação emocionalmente positiva. Esta investigação permitiu-nos obter uma compreensão alargada dos diferentes factores que contribuem para a génese e manutenção da depressão, bem como identifica possíveis factores de maior vulnerabilidade para a manutenção do ciclo depressivo. Sublinha ainda a importância do papel dos esquemas nos diferentes processos de evocação e, sugere que durante o processo psicoterapêutico exista igualmente um enfoque na recuperação da informação de forma involuntária.
ABSTRACT--------- This research began with the general objective of establishing a relationship between autobiographical memories, early maladaptative schemas, attachment and interpersonal relations in the genesis and maintenance of major depression. It also aimed to analyze the recall of involuntary autobiographical memories in major depression. Depression is an emotional disorder with a high prevalence, in which are present cognitive changes at the mnesic level, namely in autobiographical memory. Attachment, schemas and interpersonal relationships seem to relate to autobiographical memory, aspects that together can be important factors for the understanding of depression and its maintenance. The results obtained point out, in depressed subjects, to the recall of autobiographical memories of negative emotional valence and to the decreased specificity of memory. These results were also observed in the group of subjects with generalized anxiety. The same result was not observed in subjects without psychopathology which presented a predominance of positive emotional valence events, which also were specific. The negative emotional valence events and early schemas have proven to be determinant variables for depression. We noted a tendency for, in the presence of early schemas, to exist a larger recall of information of negative emotional valence: These ultimately reinforce each other, also leading to the reinforcement of the depressive cycle. In the recall of involuntary autobiographical memories, depressed subjects evoked a greater number events of negative emotional valence and of specific events; although at the level of valence there has been a trend towards a retrieval of positive emotional information. This research allowed us to obtain a broad understanding of the different factors that contribute to the genesis and maintenance of depression, while also identifying possible areas of greater vulnerability for the maintenance of the depressive cycle. It also stresses the important roles of schemas in the different processes of retrieval and suggests that during the psychotherapeutic process there is also a focus on involuntary retrieval of information.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) Victor Cláudio
Assuntos: Teses de Doutoramento / Memória autobiográfica / Vinculação / Esquemas / Depressão
Subject: Thesis / Autobiographical memory / Attachment / Schemas / Depression
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4603
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES BALO/M1 ISPA 19917
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: MONTEIRO, Maria de Fátima Jorde
Título: Contributos do modelo "Empowerment - Comunidade" para a mudança transformativa na saúde mental comunitária [texto policopiado] : Análise comparativa / Maria Fátima Jorge Monteiro
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 189 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A presente Tese designada Contributos do Modelo “Empowerment-Comunidade” para a Mudança Transformativa na Saúde Mental Comunitária: Análise Comparativa é um estudo transversal usando metodologias e técnicas mistas (quantitativas e qualitativas). A investigação assentou no pressuposto de que, adoptando processos organizacionais transformativos, as organizações comunitárias de saúde mental poderão funcionar como contextos relacionais mediadores do empowerment individual e, consequente facilitadores do recovery e da integração comunitária. Com o propósito geral de avaliar os resultados da participação das pessoas com experiência de doença mental em intervenções de saúde mental consideradas transformativas foram estabelecidos três objectivos gerais: 1 - adaptar o modelo conceptual dos contextos comunitários empoderadores para os serviços de saúde mental enquanto recurso para prática da intervenção e da investigação e testar a validade de aplicação através de um estudo de caso; 2 - adaptar para a Língua Portuguesa e validar as medidas de empowerment e de recovery para a utilização no contexto da saúde mental comunitária; 3 - avaliar o impacto do modelo de intervenção: a) nos resultados individuais de empowerment, recovery e integração comunitária dos participantes e b) na implementação e envolvimento de participantes em programas com elevada orientação para o recovery, tais como a habitação independente e o emprego apoiado. O desenho misto da investigação foi aplicado através dos seguintes instrumentos de recolha de dados: Entrevista por Questionário e a Entrevista Qualitativa que podem ser consultados no Anexo 1 e Anexo 2 da Tese. Em termos da recolha de dados, esta decorreu em cinco organizações comunitárias de saúde mental com respostas articuladas dos sectores da saúde e sector social (âmbito do DC nº 407/98), constantes numa lista de organizações filiadas na entidade representativa das organizações não governamentais (Federação Nacional das Entidades de Reabilitação de Doentes Mentais) a prestarem serviços de saúde mental na comunidade à data do estudo. Os resultados permitiram sustentar a proposição teórica de que os programas de saúde mental na comunidade podem e devem encetar mudanças transformativas organizacionais adoptando um funcionamento empoderador e centrado na comunidade (EMP-COM), o qual tem um efeito transformativo na vida das pessoas com experiência de doença mental. As análises confirmaram também a validade das medidas de empowerment (ES-P) e de recovery (RAS-P) para a respectiva utilização no contexto português da saúde mental comunitária. A investigação realizada permitiu extrair conclusões e implicações para a prática da intervenção e da investigação no âmbito do sistema de saúde mental. O relatório de Tese foi composto nas seguintes partes: a Introdução Geral, onde se apresenta a revisão da literatura geral organizada por temáticas dominantes (o empowerment e os contextos comunitários empoderadores, a orientação de recovery na saúde mental, a integração comunitária), os Procedimentos Gerais onde se descreve o desenho geral, os objectivos gerais); a Secção Empírica, organizada em quatro capítulos relativos às análises principais desta investigação em formato de artigo; a Discussão Geral, as Conclusões e Implicações para a Prática, e os Anexos.
ABSTRACT--------- The Thesis under consideration, given the title Contributions of the “Empowerment- Community” Model to Transformative Change in Community Mental Health: A Comparative Examination is a cross-sectional study using a number of methodologies and procedures (both quantitative and qualitative). The research is founded on the assumption that, whenever adopting transformative organisational procedures, community mental health organisations can function as mediating relational contexts for individual empowerment and consequently, facilitators of recovery and community integration. With the general aim of evaluating the results of participants with a history of mental illness in so-called transformative mental health interventions, three general objectives were established: 1 – to adapt the conceptual model of empowering community contexts for mental health services as a resource for intervention practice and investigation and to test the validity of its application through a case study; 2 – to adapt into the Portuguese language and to test the validity of the empowerment and recovery measures for their use in the context of community mental health; 3 – evaluate the impact of the intervention model; a) as regards the individual results of levels of empowerment, recovery and community integration among participants and b) the implementation and involvement of participants in programmes with particular emphasis on recovery, as well as independent housing and supported employment. The mixed nature of the study was implemented using the following data collection instruments: Interview conducted by Questionnaire and a Qualitative Interview – which may be consulted in Annexes 1 and 2 of this Thesis. As for the collection of data, this took place in five similar mental health community organisations that carry out their functions for an articulated response to questions of health in the social sector (DC nº 407/98), belonging to a register of organisations affiliated with the entity representing non-governmental organisations (National Federation of Institutions for the Rehabilitation of Mental Patients) that were providing mental health services in the community, at the date of the study. The results sustained the theoretical proposition that mental health programmes in the community can and should instigate transformative organisational change by adopting an empowering process centred on the community (EMP-COM), which would have a transformative effect on the life of people with a history of mental illness. Analyses also confirmed the validity of the empowerment (ES-P) and recovery (RAS-P) measures for their respective implementation in the Portuguese community mental health context. The extent of the investigation undertaken was sufficient to formulate certain conclusions and implications regarding the practises of intervention and investigation in the domain of the mental health system. The main body of the Thesis was organised according to the following sections: a General Introduction, where the revision of general literature is presented, organised by theme (empowering community contexts, recovery-orientation in mental health, community integration), the procedures in which the general structure and objectives are described; an Empirical Section, organised into four chapters according to the main analyses conducted for this investigation; a General Discussion, Conclusions and Implications for Practice, and the Appendices.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) José Henrique Pinheiro Ornelas
Assuntos: Teses de Doutoramento / Saúde mental / Integração comunitária / Empoderamento
Subject: Thesis / Recovery / Mental health / Community integration empowement
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4602
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES MONT/MF1 ISPA 19930
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: LUCCHESI, Micaela
Título: Parcerias jovens-adultos nas organizações [texto policopiado]: contributos para o desenvolvimento positivo dos jovens / Micaela Lucchesi
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 256 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Esta investigação pretende estudar a participação cívica e comunitária dos jovens em organizações que lhes proporcionem oportunidades de participação na tomada de decisões, mas que também envolvam os adultos nas suas estruturas. Estudos anteriores acerca das parcerias entre jovens e adultos (Y-AP) mostraram que, quando os jovens participam nos processos de tomada de decisão tanto nas organizações, como na comunidade em que estão envolvidos, num processo não hierárquico de colaboração com os adultos, melhoram o seu nível de confiança, empowerment, agency e de ligação à comunidade. O estudo procura compreender a qualidade das relações entre jovens e adultos nessas organizações e como estas influenciam ambos os grupos. Além disso, pretende-se analisar como a participação e as parcerias entre jovens e adultos têm impacto no Desenvolvimento Positivo dos Jovens (PYD), nomeadamente no empowerment e nos níveis de psychological agency e de ligação com a comunidade. Esta investigação recorre a métodos múltiplos, de forma a combinar as abordagens qualitativa e quantitativa e a maximizar as valências de ambas. A estratégia global é definida como exploratória sequencial. Numa primeira fase procedeu-se à recolha de dados e análise qualitativas, seguida por uma segunda fase de recolha de dados e análise quantitativas. Na fase qualitativa realizaram-se focus groups com jovens entre os 14 e os 24 anos de idade, entrevistas individuais com os profissionais e os membros da direção das organizações nas quais estes jovens estão envolvidos e, por fim, entrevistas com informadores-chave que foram questionados sobre a visão político-social sobre os jovens e sobre a sua participação cívica. Esta fase permitiu criar um questionário que deu origem à segunda fase da investigação: a fase quantitativa, que consistiu na análise dos dados obtidos após a administração do dito questionário a 278 jovens. Foi testada a validade interna do instrumento e explorada a contribuição da qualidade do programa para o PYD, particularmente quanto às parcerias entre jovens e adultos em organizações e associações de base comunitária. A qualidade do programa aliada ao contexto contribuiu melhor para o empowerment do que apenas o contexto. O componente que mais contribuiu para a previsão do empowerment foi o envolvimento dos jovens no programa da organização. Além disso, a qualidade do programa foi preditora da psychological agency e da ligação à comunidade além das medidas do contexto. Em ambos os casos, a voz dos jovens na tomada de decisões teve mais peso do que os outros constructos da qualidade do programa. O modelo que melhor predisse boas psychological agency e ligação à comunidade foi o que teve em conta tanto o contexto, como a possibilidade de os jovens exprimirem a sua voz no processo de tomada de decisão. Concluiu-se que acrescentar a qualidade do programa ao contexto melhorou todas as variáveis (empowerment, psychological agency e ligação à comunidade).
ABSTRACT--------- This research aims to study the civic and community participation of young people in organizations that provide good levels of youth participation in decision-making processes, but that also involve adults in its structure. Previous studies on Youth-Adult Partnerships (YAP) demonstrated that when young people participate in the decision-making processes of the organization and of the community where they are involved, in a collaborative nonhierarchical process with the adults, they improve their level of confidence, empowerment, agency and community connections. The study seeks to understand the quality of relationships between adults and young people in these organizations, and how these affect both groups. In addition, we analyzed the impact of participation and Youth-Adult Partnerships (Y-AP) on Positive Youth Development (PYD), particularly on youth empowerment, on levels of psychological agency and community connectedness. This research uses multiple methods in order to combine the qualitative and quantitative approaches and to maximize both their strengths. The overall strategy is defined as sequential exploratory. The first phase involved the collection and the analysis of qualitative data, followed by a second phase of collection and analysis of quantitative data. In the qualitative phase were held focus groups with youth between 14 and 24 years old, individual interviews with professionals and board members of the organizations in which these young people are involved, and finally interviews with key informants that were asked on the political and social vision about young people and on their civic participation. This phase allowed the production of a survey which led to the second phase of the research: the quantitative one, which consisted of the analysis of data obtained after the administration of the survey to 278 youth. The internal validity of the instrument was tested and the program quality contribution for PYD was explored, particularly with regard to youth-adult partnerships in organizations and community-based associations. Program quality and the context together had a greater contribution to empowerment, beyond the context. The component that most contributed in predicting empowerment was youth engagement in the organization program. Furthermore, program quality was a predictor of psychological agency and community connectedness beyond the context measures. In both cases, youth voice in decision-making gave the greatest contribution in comparison with the other program quality constructs. The model that best predicted good psychological agency and community connectedness was the one that considered both the context and the possibility of youth expressing their voice in decision-making processes. In conclusion, adding program quality to the context improved all variables (empowerment, psychological agency and community connectedness).
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professor(s) Doutor(s) José Henrique Pinheiro Ornelas
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4449
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES LUCC/M1 ISPA 19920
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: MAIA, Joana Branco de Carvalho
Título: Emergência narrativa e segurança das representações de vinculação no período pré-escolar [Texto Policopiado] / Joana Branco de Carvalho Braga Maia
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2011
Descrição física: 216 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Constituindo uma das maiores conquistas desenvolvimentais do período pré-escolar, o despontar da competência narrativa espontânea põe em evidência representações mentais da experiência, implicando a atribuição de significados emocionais susceptíveis de serem partilhados e, em última instância, co-construídos. Assinalando a possibilidade de a criança comunicar eventos passados e presentes, bem como expectativas futuras, esta nova capacidade permitir-lhe-á organizar e dar sentidos temporais, causais e avaliativos às suas vivências, simbolizando um passo maior no sentido de poder perceber e regular a sua própria vida emocional (Fivush, 2008). Nos últimos 30 anos, a aceitação desta premissa levou a um aumento significativo na utilização de metodologias de elicitamento de narrativas, apontadas como uma forma válida de estudar a qualidade e a organização dos Modelos Internos Dinâmicos de vinculação. Visando identificar diferenças individuais no modo como as crianças encenam situações relacionadas com a vinculação, o Attachment Story Completion Task (ASCT, Bretherton & Ridgeway, 1990) tem sido utilizado em diferentes culturas, tanto com amostras clínicas como normativas. Contudo, mais estudos são necessários para legitimar a sua validade convergente e discriminante, aspecto dificultado pelo facto de o instrumento não obrigar à utilização de um sistema de classificação único. Dando continuidade à investigação realizada com o ASCT na população portuguesa, os 2 primeiros estudos empíricos apresentados debruçam-se sobre as características psicométricas do instrumento numa amostra normativa de crianças, entre os 3 e os 7 anos. No 1º estudo, os valores de segurança de 159 crianças não apresentaram associações relevantes com variáveis sócio-demográficas familiares, nem com a idade dos participantes. Foi encontrada uma associação positiva, fraca, com o Q.I. verbal, avaliado através da WPPSI-R. Numa sub-amostra de 34 crianças, verificou-se que o valor de segurança global, intra-sujeitos, se manteve moderadamente estável após 11 meses. No 2º estudo as narrativas de 73 crianças foram analisadas, de forma independente, por duas equipas de investigadores, respectivamente treinadas no Sistema de cotação e classificação de Dusseldorf e na Escala de Segurança. A análise associativa dos valores inter-sistemas, mostrou que estes se encontram apenas moderadamente correlacionados. Com base em excertos narrativos, discute-se a possibilidade de os dois sistemas se debaterem com dimensões representacionais distintas, com especial atenção a ser dada à potencial influência do género neste âmbito. No 3º estudo, 38 díades mãe/criança e 27 díades pai/criança participaram, de forma independente, numa tarefa de reminiscência sobre eventos partilhados passados (Fivush & Fromhoff, 1988). Os resultados mostram fortes ligações entre as características elaborativas do estilo narrativo parental e a participação activa da criança na tarefa, com a especificidade relacional a revelar -se um aspecto saliente. Fornecendo suporte empírico a um dos pressupostos principais da Teoria da Vinculação, relativo ao facto de a presença de abertura emocional na relação criança/cuidador constituir um aspecto vital para a organização de modelos internos seguros, a presença de hostilidade na interacção mostrou-se negativamente associada com a segurança das narrativas ASCT concorrentemente produzidas pelas crianças. Os dados sugerem ainda que a elaboração discursiva paterna desempenha, um papel específico, facilitador, neste âmbito, apoiando a tese de que as trocas comunicativas com a figura paterna poderão contribuir para o desenvolvimento das competências de partilha narrativa das crianças pré-escolares com outros parceiros sociais.
ABSTRACT--------- Being one of the greatest developmental achievements within the preschool period, the beginning of spontaneous narrative competence highlights children’s mental representations of experience, implying the attribution of emotional meanings which are susceptible to be shared and, ultimately, co-constructed. Enabling the communication of past and present events, as well as future expectations, this new capacity will allow children to organize and to give temporal, causal and evaluative meanings to daily happenings, representing a major step towards the abilities of understanding and regulating their own emotional lives (see Fivush, 2008).Over the past 30 years, the accepting of this premise has led to a significant increase in the use of narrative eliciting methodologies, identified as a valid way to study the quality and organization of children’s Internal Working Models. The Attachment Story Completion Task (ASCT, Bretherton & Ridgeway, 1990) was created with the aim of identifying individual differences in how children enact different situations related to attachment. So far, it has been used in different cultures, with both normative and clinical samples. Yet, more studies are needed to legitimize its convergent and discriminative validity, goal that has not been fully accomplished partially due to the fact that the instrument allows researchers to use a great diversity of coding systems. Amplifying the research made with the ASCT in the Portuguese population, the first 2 empirical studies focus mainly on the psychometric characteristics presented by the instrument, when applied to a normative sample of children aged between 3 and 7 years old. In the 1st study, 159 children’s ASCT security showed no significant associations with socio-demographic family variables, neither with participants’ age. We found a positive association, though weak, with the verbal I.Q., assessed with the WPPSI-R. In a subsample of 34 children, it was found that, when considered globally and at the intra-subject level, security remained moderately stable after 11 months. In the 2nd study the narratives of 73 children were analyzed independently by two research teams trained, respectively, in the Dusseldorf Coding and Classification System and in a Security Scale. The associative analysis of the inter-systems values showed that these two systems seem to be only moderately interrelated. Based on narrative passages, it is discussed the possibility that the two systems emphasize different representational dimensions, with special attention being given to gender issues. In the 3rd study, 38 mother/child and 27 father/child dyads participated, independently, in a memory-talk task (Fivush & Fromhoff, 1988). The results show strong links between the elaborative features of parental narrative style and children's active participation in the task, with relational specificity showing to be an important aspect. Providing empirical support for one of Attachment’s Theory most central assumptions (i.e. open emotional communication within the child/caregiver relationship uphold the organization of secure IWM), the presence of hostility in the dyadic interaction was negatively associated with the security of the ASCT narratives concurrently produced. Data also suggest that the elaborative features of fathers’ narrative style play a specific, facilitating, role, in preschoolers’ organization of secure attachment representations. Therefore, support is given to the thesis that communicative exchanges with the father figure may foster preschoolers’ competences regarding narrative sharing with other social partners.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Manuela Veríssimo
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/1350
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES MAIA1 ISPA 19192
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: PIMENTA, Ana Filipa Fernandes
Título: Menopause amd midlife: menopausal symptoms, body weight and well-being [texto policopiado] / Ana Filipa Fernandes Pimenta
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2011
Descrição física: 362 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A menopausa tem sido genericamente definida como um fenómeno bio-médico, tendo como consequência a emergência de sintomas físicos e psicológicos decorrentes da diminuição de estrogénios endógenos. O presente trabalho pretende alargar esta conceptualização da menopausa, contextualizando-a no modelo bio-psico-sócio-cultural, explorando se variáveis pessoais (como a espiritualidade) e contextuais (por exemplo, acontecimentos de vida) podem predizer sintomas reconhecidos como de menopausa. É ainda objectivo deste estudo explorar que variáveis estão associadas ao aumento de peso na transição para a menopausa e na pós-menopausa, e se uma intervenção breve cognitivo-comportamental pode promover a diminuição de peso em mulheres com obesidade e excesso de peso. Finalmente, pretende-se construir um modelo causal de bem-estar subjectivo na meia-idade. Uma amostra comunitária constituída por 1.003 mulheres com idades compreendidas entre os 42 e os 60 anos, recolhida maioritariamente através de estabelecimentos de ensino na área de Lisboa, preencheu um questionário para recolha de informação sócio-demográfica, relacionada com saúde, menopausa e estilo de vida. As participantes responderam ainda a instrumentos validados para averiguar o bem-estar subjectivo, depressão, ansiedade e stress, sintomas de menopausa, percepção de controlo sobre os afrontamentos, espiritualidade, acontecimento de vida e preocupações com a forma corporal. Desta amostra, 17 mulheres com excesso de peso ou obesidade participaram numa intervenção cognitivo-comportamental individual para a perda de peso. Antes da intervenção, imediatamente após e quatro meses depois do seu término, as participantes foram avaliadas em relação a medidas antropométricas, psicológicas e de comportamento alimentar. Os resultados mostram que, tanto os acontecimentos de vida, como a espiritualidade, predizem de forma significativa a gravidade dos sintomas de menopausa. Além destes, também variáveis de estilo de vida, sócio-demográficas e relacionadas com o estado de saúde associam-se de forma significativa a estes sintomas. Dos doze grupos de sintomas de menopausa averiguados (psicológicos e físicos), apenas três são preditos pelo estado de menopausa. Assim, sintomas vasomotores, sexuais e alterações na pele e nos pêlos faciais são os únicos sintomas que parecem decorrer das alterações hormonais. Observou-se ainda que mulheres com uma escolaridade mais baixa, com uma prática de exercício físico mais reduzida, com um problema psicológico auto-relatado, mais preocupadas com a forma corporal e em pós-menopausa apresentavam um ganho de peso maior. A perda de peso após a intervenção mostrou-se estatisticamente significativa, comparando o peso antes da intervenção e quatro meses após a mesma, ficando contudo abaixo dos 5% do peso corporal. Verificou-se ainda que o bem-estar subjectivo na meia-idade é predito pelo humor deprimido, presença de um problema psicológico, espiritualidade, stress, acontecimentos de vida e ainda consumo de café. Esta investigação permite concluir que a maior parte dos sintomas identificados como decorrentes da menopausa são, nesta amostra, determinados por factores não hormonais, sendo a única sintomatologia consequente do estado de menopausa os sintomas sexuais, vasomotores e alterações na pele/pêlos faciais. Tal contribui para uma compreensão da menopausa para além da abordagem medicalizada que tem vigorado na literatura. Adicionalmente, são identificados factores de vulnerabilidade em relação ao aumento de peso e bem-estar na meia-idade, que permitem potenciar mudanças neste âmbito.
ABSTRACT--------- Menopause has been generically defined as a bio-medical phenomenon, having as consequence the emergence of physical and psychological symptoms, subsequent to the decrease of endogenous estrogens. The present research intends to broaden this conceptualization of menopause, contextualizing it in the bio-psycho-socio-cultural model. Therefore, we will explore if personal (such as spirituality) and contextual variables (for example, life events) can predict symptoms recognized as menopausal ones. It is also the aim of this study to investigate which variables are associated with weight gain in the menopausal transition and post-menopause. Also, it is our objective to explore if a brief cognitive-behavioural intervention can promote a weight decrease in obese and overweight women. Finally, we intend to build a causal model of subjective well-being in midlife. A community sample of 1,003 women, aged between 42 and 60 years, mainly collected in schools and universities in Lisbon, answered a questionnaire to gather socio-demographic, health and menopause-related, and lifestyle information. Moreover, participants filled in validated instruments to assess subjective well-being, depression, anxiety and stress, menopausal symptoms, perceived control over hot flashes, spirituality, life events and body shape concerns. From this sample, 17 overweight and obese women participated in an individual cognitive-behavioural intervention for weight loss. Before the intervention, immediately after and at a 4-month follow-up, participants were assessed regarding anthropometric, psychological and eating behaviour variables. Results show that both life events and spirituality significantly predicted menopausal symptoms’ severity. Besides these two, also lifestyle, socio-demographic and health-related variables were significantly associated with menopausal symptoms. From the twelve sets of menopausal symptoms assessed (psychological and physical), only three were predicted by the menopausal status. Therefore, vasomotor and sexual symptoms, and skin and facial hair changes are the only ones which appear to be a consequence of hormonal changes. Women with less schooling years, less physical activity, the presence of a self-reported psychological problem, more concerned with body shape and in post-menopause, manifested higher weight gain. The weight loss consequent to the cognitive-behavioural intervention was statistically significant, when comparing body weight prior to the intervention and weight at the follow-up; however, the loss was lower than 5% of body weight. Subjective well-being in midlife was predicted by depressive mood, presence of a psychological problem, spirituality, stress, life events and coffee intake. This research allows the conclusion that the majority of symptoms identified as menopausal are, in this sample, determined by non-hormonal factors; the only symptoms consequent to menopausal status are sexual, vasomotor and skin/facial hair changes. This outcome contributes to an understating of menopause beyond the medicalized approach that is common in the literature. Additionally, vulnerability factors for weight modifications and well-being in midlife, which allow the development of changes in this field, were identified.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Isabel Pereira Leal e João Maroco
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/1346
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES PIME/A1 ISPA 19189
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: GALVÃO, Lucílio Neves
Título: As curas miraculosas dos evangelhos, na clave conceptual da teoria de imagem insconsciente do corpo, segundo Françoise Dolto [texto policopiado] / Ana Filipa Fernandes Pimenta
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2011
Descrição física: 462 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A IMAGEM INCONSCIENTE DO CORPO, em Françoise Dolto, não é uma representação mental, directa e visível do corpo, já que se constrói com os ingredientes mais finos e subtis da vida psíquica (sensorialidades, memória, sentimentos, emoções, fantasias e pensamentos), opera como matriz vivencial do sujeito no mundo, e só é acessível, consciente e inconscientemente, através da relação verbalizada com o outro. Como se constata pelas produções artísticas da criança, a imagem inconsciente do corpo, em Françoise Dolto, é da ordem do real, do imaginário e do simbólico e impele a interrogar-se, sem cessar, sobre o que é que o espírito (subjectividade) deve ao corpo. Noutras palavras, a imagem inconsciente do corpo, em Françoise Dolto, é a concretização corporal, relacional e subjectiva do sujeito no mundo que, sob a forma de memorial, de suporte existencial, de sentimento de si mesmo e de desejo (mais da ordem do ser do que do ter, e mais na clave do inconsciente do que da consciência) o insere na história universal dos humanos. Conceito original e síntese viva de todas as experiências emocionais, cognitivas e corporais do sujeito, a imagem inconsciente do corpo vai-se construindo a partir das primeiras relações, fundadoras, mãe-bebé, até tornar-se o substracto da encarnação do sujeito no mundo. A imagem inconsciente do corpo, em Françoise Dolto, não é, portanto, a imagem consciente do corpo fantasiado no prisma perceptivo- - visual, mas corresponde a uma certa maneira de sentir, de amar e de pensar no processo interior de elaboração do eu. OS EVANGELHOS (do grego Euangelion) são a boa nova do Reino de Deus anunciado, por Jesus de Nazaré, particularmente aos pobres de Israel (Mt 11, 5). Efectivamente, é em Jesus de Nazaré (sobretudo na sua morte e na sua ressurreição) que se realiza a salvação de Deus Pai, concedida gratuitamente pelo Espírito a todos os homens de boa vontade (Jo 3, 14-18; Jo 4, 1-42; Act 4, 8-12; 1 Cor 15, 1-11). Os evangelhos compreendem os acontecimentos, as palavras e os gestos de Jesus de Nazaré, codificados, sob a inspiração do Espírito Santo, pelos quatro evangelistas (Mt, Mc, Jo, Lc), e proclamados, como uma notícia feliz, aos pobres, aos cegos, aos oprimidos, aos prisioneiros e a todos os que esperam o dia do Senhor (Is 61; Lc 4, 14-31). Como intervenções extraordinárias de Deus, em Jesus de Nazaré os milagres vêm confirmar a messianidade da sua pessoa e o carácter sublime da sua missão junto dos pobres de Israel. Neste sentido, os milagres operam como sinais (semeia) e como acções poderosas de Deus (dynameis) proclamando, sem cessar, as magnalia Dei. Apesar do peso sensível da sua historicidade, os milagres de Jesus de Nazaré apresentam uma linguagem e uma estrutura simbólicas peculiares, determinadas pela fé das primeiras comunidades cristãs e pela cultura do seu tempo. Os evangelhos, escritos entre os anos 68 e 95 da nossa era, testemunham, oral e existencialmente, a fé na ressurreição de Jesus de Nazaré (Mt 27, 50-53; Rm 6, 3-11; Ef 2, 4-10). A IMAGEM INCONSCIENTE DO CORPO + OS EVANGELHOS. O objectivo do nosso trabalho é a iluminação das curas miraculosas dos evangelhos com os conceitos da imagem inconsciente do corpo, segundo Dolto: Optamos pelos relatos evangélicos que nos parecem exprimir melhor a condição universal e finita de todos os humanos, quer do ponto de vista sintomático (os cegos, os paralíticos, os surdos), quer do ponto de vista dinâmico (a invisualidade, a imobilidade, a incomunicabilidade). ?Em conformidade com a reformulação dos mesmos textos evangélicos com os conceitos doltonianos, os miraculandos dos evangelhos apresentam-se como: - sujeitos de desejo (dimensão histórica); - corporalmente presentes no mundo (dimensão corporal); - simbolicamente instituídos (dimensão terapêutica ou espiritual). ?Não pretendemos fazer uma exegese científica ou teológica dos textos bíblicos, mas uma reformulação simbólica e clínica, pressupondo já a exegese histórico-crítica e teológica dos mesmos.
ABSTRACT--------- THE UNCONSCIOUS IMAGE OF THE BODY IN FRANÇOISE DOLTO, IT IS NOT A MENTAL, DIRECT and visible representation of the body, as it is built with the finest and subtlest ingredients of psychic life (sensations, memory, feelings, emotions, fantasies and thoughts), it operates as experiential matrix of the subject in the world, and it is only accessible, conscious and unconscious, through the verbalized relation with the other. As it can be seen by the artistic production of children, the unconscious image of the body, in Françoise Dolto, belongs to the real, to the imaginary and to the symbolic and urge the incessantly interrogation, about what the spirit (subjectivity) owes to the body. In another words, the unconscious image of the body in Françoise Dolto is the corporal, relational and subjective concretization of the subject in the world, that, under the shape of memorial, existential support, the feeling of himself, and of desire (more in the sense of being than of having and more in the key of unconscious than consciousness) inserts the subject in the universal history of humankind. Original concept and living synthesis of all emotional, cognitive and corporal experiences of the subject, the unconscious image of the body is built from the first relations, founders, mother-baby, until it becomes the substrate of the incarnation of the subject in the world. The unconscious image of the body, in Françoise Dolto, it is not the fantasized conscious image of the body, in the perceptive-visual prism, but corresponds to a certain way of feeling, loving and thinking in the interior process of elaboration of the self. THE GOSPELS (from the Greek Euangelion) are the good news of the kingdom of God announced, by Jesus of Nazareth, particularly to the poor of Israel (Mt 11, 5). Indeed, it is in Jesus of Nazareth (especially in His death and His death and His resurrection), that it is accomplished the Salvation of the God Father, freely granted by the Spirit, to all the men of Good Will (Jo 3, 14-18; Jo 4, 1-42; Act 4, 8-12; 1 Cor 15, 1-11). The Gospels include the events, the words and the gestures of Jesus of Nazareth, encoded by the inspiration of the Holy Spirit, by the four evangelists (Mt, Mc, Jo, Lc), and proclaimed, as a happy news, to the poor, to the blind, to the oppressed, to the prisoners and to all that wait for the Day of the Lord (Is 61; Lc 4, 14-31). As extraordinary interventions of God, in Jesus of Nazareth, the miracles are a confirmation of the Messiahship of His person and the sublime character of His mission with the poor of Israel. In this sense, the miracles operate as signs (Semeia) and, as powerful actions of God (dynameis) proclaiming, incessantly, the magnolia Dei. Despite the sensible weight of his historicity, the miracles of Jesus of Nazareth have a peculiar symbolic language and structure, determined by the faith of the first Christian communities and by the culture of its time. The Gospels written between the years 68 and 95 of our time, testify oral and existentially, the faith in the resurrection of Jesus of Nazareth (Mt 27, 50-53, Rm 6, 3-11; Ef 2, 4-10). THE UNCONSCIOUS IMAGE OF THE BODY + THE GOSPELS. The aim of our work is the illumination of the miraculous cures of the gospels with the concepts of the unconscious image of the body, according to Dolto: We opted for the evangelical reports which seem to better express the universal and finite condition of all humans, either from the symptomatic point of view (the blind, the paralytics, the deaf), or from the dynamic point of view (the blindness, the immobility, the lack of communication). According to the reformulation of the same evangelic texts with the concepts of Dolto, the miraculous of the Gospels are shown as: - subjects of desire (historical dimension); - bodily present in the world (corporal dimension); - symbolically instituted (spiritual or therapeutic dimension). We do not intend to do a scientific or theological exegesis of the biblical texts, but a symbolic and clinical reformulation assuming already a historical, critical and theological exegesis of the same.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Luis Frederico da Silva Pereira e Armindo dos Santos Vaz
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/1349
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES GALV1 ISPA 19191
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: SENRA, Hugo renato Carreira Gomes
Título: From injured body to changes in self-identity [Texto Policopiado]: a research on adults with acquired physical impairments / Hugo Renato Carreira Gomes Senra
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2011
Descrição física: 208 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Enquadramento: A experiência de amputação de membro inferior em adultos, e a experiência de perda irreversível de visão em adultos não idosos, são dois temas que têm tido pouca atenção por parte da investigação científica. O peso desta experiência ao nível da identidade dos sujeitos e a relação dessas variáveis com os níveis de depressividade são temas considerados relevantes, embora ainda pouco estudados. Objectivos: A presente dissertação veio no propósito de produzir alguma evidência acerca dos tópicos referidos. Com estes estudos pretendemos explorar as experiências incapacidade física adquirida e as suas implicações para a identidade dos sujeitos em dois grupos de sujeitos: adultos que tenham sofrido amputação de membro inferior; e adultos não idosos com perda irreversível e severa de visão. Outro dos objectivos destes estudos foi a investigação preliminar de potenciais relações entre variáveis como a autoconsciência de incapacidade e as auto-identificações com a incapacidade e os níveis de depressividade. Método: Para atingir os objectivos do nosso estudo, delineamos duas investigações independentes. Estudo 1: 38 sujeitos com perda irreversível de visão (média de idades de 42.7 anos; desvio padrão de 14.5), todos eles em fase de reabilitação. Estudo 2: 42 sujeitos amputados (média de idades de 61; desvio padrão de 15.6), todos eles em seguimento na consulta de medicina física e de reabilitação num hospital geral. Em ambos os estudos as experiências de incapacidade foram recolhidas através de uma metodologia qualitativa, com recurso a entrevistas semi-estruturadas realizadas individualmente a cada sujeito. Cada entrevista foi realizada por um investigador independente, formado em Psicologia e com experiencia clínica com este tipo de populações. As entrevistas foram supervisionadas por um Psicólogo e Psicoterapeuta Sénior. Os níveis de depressividade foram avaliados usando o CES-D. A análise do conteúdo das entrevistas foi realizada com base no método de codificação categorial não indutivo de Bardin. Resultados: Os resultados qualitativos do estudo 1 (perda de visão) revelaram sete temas, a maior parte dos quais acerca das alterações ao nível da própria identidade. Esses resultados suportaram um modelo compreensivo para o processo de ajustamento à perda de visão, com base na auto-consciência de incapacidade e nas auto-identificações à incapacidade dos sujeitos estudados. As pontuações no CES-D de 39.5% (n=15) dos sujeitos cumpriram os critérios para depressão clínica. Maiores níveis de depressão (P<.05) foram encontrados nos sujeitos que: tinham perdido a visão há mais tempo; começaram a reabilitação mais tardiamente; estavam mais conscientes a sua incapacidade; e percepcionaram um pior suporte social (P<.01). Foi encontrada uma correlação positiva entre as pontuações dos sujeitos no CES-D e duas variáveis: o tempo decorrido entre o primeiro diagnóstico da doença responsável pela perda de visão e o momento em que o sujeito ficou clinicamente com baixa visão ou cego (.333; P=.036); o tempo de reabilitação (.355; P=.035). No estudo 2 emergiram oito temas sobre a experiência de amputação. Esses resultados suportaram também um modelo teórico compreensivo para as alterações na identidade dos sujeitos, decorrentes da situação de amputação. 31% (n=13) dos sujeitos apresentaram pontuações no CES-D que cumpriram os critérios para depressão clínica. Maiores níveis de depressão (P<.05) foram encontrados nos sujeitos que apresentaram: maior auto-consciência de incapacidade; menor identificação à incapacidade; pior relação com a prótese; pior percepção do suporte social; e pior percepção do bem-estar. xii Conclusões: Nos dois estudos a auto-consciência de incapacidade e as autoidentificações com a incapacidade surgiram como duas variáveis chave do processo de ajustamento à incapacidade, demonstrando o potencial efeito transformador destas situações de incapacidade para identidade dos sujeitos. A associação encontrada entre as variáveis relativas à experiência de incapacidade e os níveis de depressividade parece sugerir duas conclusões: as alterações na identidade decorrentes da situação de incapacidade física adquirida poderão ser uma das importantes causas do aumento dos níveis de depressividade; o aumento dos níveis de depressividade poderão ser, num primeiro momento, reflexo do processo de ajustamento às perdas sofridas e não traduzir, necessariamente, uma má adaptação à situação de incapacidade, nem um problema de saúde mental.
ABSTRACT--------- Background: The experience of becoming physically impaired, especially in lower limb adult amputees and in working-aged patients with vision loss, has deserved little attention by research in general. The weight of some variables associated with these experiences on depressive levels has been stressed by some studies. However, little is known about it. Aims: The current dissertation aimed at filing in the knowledge gap regarding these topics. We intended to explore the experience of acquired physical impairment, focusing on changes in self-identity, in two groups: working-aged adults with vision loss; and adults who suffered a lower limb amputation. In addition, we aimed at exploring a possible connection between the most relevant emerged variables of these experiences and the depressive levels: the self-awareness of impairment; and the selfidentifications with the impairment. Method: Two independent studies were performed, both was cross-sectional and using mixed-methods: study 1 was on the experiences of vision loss of 38 patients at rehabilitation setting (mean age of 42.7; SD=14.5); and study 2 was on the experiences of lower limb amputation in 42 patients (mean age of 61; SD=13.5) followed-up at a general hospital?s rehabilitation medicine unit. Qualitative data on the experiences of impairment was collected by two semi-structured interviews for each patient. The interviews were performed by an independent and trained psychologist, under the supervision of a senior psychologist and psychotherapist. 80 interviews were conducted in study 1 and 84 interviews in study 2. Depressive levels were assessed using CES-D. The content analysis was performed using the Categorical and Coding analysis proposed by Bardin. Results: Qualitative data from the study 1, on the experiences of vision loss, retrieved seven themes, most of them focused on changes in self-identity. These results supported a new model for the adjustment process to vision loss, based on patients? self-awareness of impairment and self-identifications with the impairment. 39.5% (n=15) of patients met CES-D criteria for depression. Higher depressive levels (P<.05) were found in patients who: lost vision for longer; begun their rehabilitation later; were more aware of their impairment; and those who reported an inadequate social support (P<.01). A positive correlation was found between CES-D scores and vision loss evolution (.333; P=.036), and between CES-D scores and rehabilitation time (.335; P=.035). In study 2, eight themes emerged from the interviews. Qualitative results supported a theoretical model for the changes in self-identity related to lower limb loss beyond the body image. 31% (n=13) met CES-D criteria for Depression. Higher depressive levels (p<.05) were found in those who showed: greater self-awareness of impairment; lower identification with the impairment; and worse appraisals towards the prosthesis, social support and well-being. Conclusions: In both studies the changes in self-identity, especially in terms of selfawareness of impairment and self-identifications with the impairment, arose as core milestones of the adjustment process to the impairment. The relationship found between the variables related to the experience of impairment and depressive levels suggests two conclusions: the changes in self-identity caused by the impairment might be one of the important causes for the rising of depressive levels; the increase in depressive levels in these populations might be, at first, the reflex of the adjustment process to the many personal losses and therefore, do not necessarily reveal a bad adaptation to the impairment nor a mental health problem.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Rui Aragão Oliveira e Isabel Leal
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/1348
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES SENR1 ISPA 19190
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: NG DEEP, Cláudia Alexandra Ferreira de Carvalho
Título: Avaliação do impacto de uma intervenção em gestão de stress em pacientes sujeitos a radioterapia e em situação de fadiga oncológica [texto policopiado]: Um studo quase experimental / Cláudia Alexandra Ferreira de Carvalho Ng Deep
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2013
Descrição física: 282 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A intervenção em gestão do stress cognitivo-comportamental (IGSCC) composta por reestruturação cognitiva, treino em estratégias de coping e relaxação muscular é apontada por parte da Comunidade Científica como eficaz na redução da fadiga oncológica (FO). No entanto, esta opinião não é consensual e parte da investigação argumenta que a terapia cognitivo-comportamental não reestrutura a experiência da crise, durante o tratamento de radioterapia. A FO, altamente debilitante, é suportada por parte dos doentes oncológicos e surge como resultado do processo oncológico (doença e tratamentos). Manifesta-se em exaustão física, mental, emocional e social, impactando a qualidade de vida. A sua etiologia é patopsicofisiológica, com vários factores correlacionados: crenças disfuncionais, estados emocionais com significativa ansiedade, depressão e stress, baixa percepção e satisfação com o suporte social, baixa qualidade de vida e limitada resiliência. Este estudo procura avaliar o impacto da IGSCC, durante a radioterapia, sobre a FO, contribuindo para uma maior compreensão deste constructo tão complexo. É um estudo longitudinal, comparativo e correlacional, recorre a 3 grupos avaliados em 3 momentos: antes da radioterapia (M1), logo após o fim da radioterapia (M2) e seis meses após o fim da radioterapia (M3). O grupo de intervenção é composto por 35 indivíduos com FO sujeitos a IGSCC, o grupo de controlo é composto por 35 sujeitos com FO e apenas sujeitos a radioterapia e o grupo sem FO é composto por 35 sujeitos sem FO e apenas sujeitos a radioterapia. Todos os sujeitos foram previamente seleccionados e colocados aleatoriamente no respectivo grupo depois de responderem ao Termómetro Emocional (Bizarro, Patrão, & Deep, 2012). Avaliou-se ainda a dinâmica emocional, social, cognitiva, a personalidade, a qualidade de vida e as características sociodemográficas e clínicas. Verificou-se que os resultados obtidos dependeram do tipo de tratamento (com ou sem IGSCC) e que quando um paciente tem intervenção psicológica o sofrimento emocional, a ansiedade, a depressão, o impacto e a necessidade de ajuda diminuem (p?,05). Igualmente verificou-se que a IGSCC alterou as crenças do grupo de intervenção, ajudando-o a lidar com o cancro, reduzindo o sofrimento psicológico e incrementando o bem-estar (p?,05). Quanto aos padrões de regulação emocional verificou-se o impacto positivo da IGSCC a curto e longo prazo: a IGSCC reestruturou a vivência de crise e reduziu a gravidade da sintomatologia, ainda que se tenha assistido à perda de resultados positivos no grupo de intervenção no M3. A satisfação com o suporte social, resiliência e qualidade de vida também confirmam o impacto positivo da IGSCC a curto e longo prazo (p?,05). Este estudo demonstra correlações (r?,05) entre factores estudados: os padrões de regulação emocional estão positivamente correlacionados com a baixa qualidade de vida, e negativamente correlacionados com a resiliência e a satisfação com o suporte social. A IGSCC contribuiu para um maior bem-estar: teve impacto positivo sobre a experiência psicossocial do GI reestruturando a experiência de crise e reduzindo a gravidade dos sintomas. A IGSCC permitiu a reestruturação cognitiva, estabeleceu estratégias de enfrentamento apropriadas e ensinou os pacientes a relaxar. Embora a FO tenha um caráter patopsicofisiológico, com a IGSCC é possível alcançar níveis mais baixos de ansiedade, depressão e stress, considerando-se esta intervenção eficaz na gestão da FO. As implicações clínicas do estudo referem-se a necessidade de detectar a FO e intervir terapeuticamente.
ABSTRACT--------- A cognitive behavioural intervention in stress management (CBISM) composed by muscle relaxation, cognitive restructuring and training in coping strategies is pointed by some Scientific Community as effective in reducing Cancer Related Fatigue (CRF). However, this opinion is not consensual and part of the investigation argues that cognitive behavioral therapy does not restructures the experience of crisis, during radiotherapy treatment. CRF is a highly debilitating and supported by most cancer patients. It arises as a result of the oncological process (disease and treatment). It manifests itself through physical, mental, emotional and social exhaustion, impacting the quality of life. Its etiology is pathopsychophysiological with several correlated factors: dysfunctional beliefs, emotional states with significant anxiety, depression and stress, low perception and satisfaction with social support, poor quality of life and limited resilience. This study seeks to evaluate the impact of CBISM during radiotherapy, about the FO, contributing to a greater understanding of this complex construct. A longitudinal, comparative and correlational study was developed, using three groups evaluated in three different moments: before radiotherapy (M1), shortly after the end of radiotherapy (M2) and six months after the end of radiotherapy (M3). The intervention group is composed by 35 individuals with CRF subject to a CBISM; the control group is composed by 35 subjects with CRF and only subjected to radiotherapy; and the group without CRF is composed of 35 subjects without CRF and only subjected to radiotherapy. All subjects were previously selected and placed randomly within their group after responding to the Emotional Thermometer (Bizarro, Patrão, & Deep, 2012). We evaluated the emotional, social and cognitive dynamic, personality, quality of life and sociodemographic and clinical characteristics. We found that the results depended on the type of treatment (with or without CBISM), and that when a patient has psychological intervention the emotional distress, anxiety, depression, impact and need for help decrease (p?,05). We further observed that the CBISM changed the beliefs of the intervention group, helping the participants deal with cancer, reducing psychological distress and increasing well-being (p?,05). In terms of emotional regulation, there was a positive impact of CBISM in the short and long term: CBISM restructured the experience of crisis and reduced the symptoms’ severity, even if we observed a decrease in positive results for the intervention group in M3. Regarding satisfaction with social support, resilience and quality of life, the positive impact of CBISM was confirmed in the short and long term (p? ,05). This study demonstrates correlations (r?,05) between the studied factors: patterns of emotional regulation are positively correlated with poor quality of life, and negatively correlated with resilience and satisfaction with social support. The CBISM contributed to a greater wellbeing: had a positive impact on the psychosocial experience of the intervention group, restructuring the crisis experience and reducing the symptoms’ severity. The CBISM allowed for a cognitive restructuration, established appropriate coping strategies and taught the patients to relax. Although the CRF has a pathopsychophysiological character, with CBISM it is possible to achieve lower levels of anxiety, depression and stress, being this intervention considered effective. The clinical implications of these results relate to the need to detect the FO and intervene therapeutically.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Isabel Leal e Ivone Patrão
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3185
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES DEEP1 ISPA 19669
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: FREITAS, Miguel da Costa Nunes de
Título: O papel dos melhores amigos e do grupo de pares nas trajectórias de retirada social surante a adolescência / Miguel da Costa Nunes de Freitas
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 307 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A investigação tem revelado uma heterogeneidade significativa na vivência da retirada social ao longo do desenvolvimento, não só nos seus correlatos ao nível do grupo de pares e das relações de amizade, mas também nas trajectórias longitudinais de cada indivíduo. No entanto, pouco ainda se conhece sobre possíveis fontes desta variabilidade na adolescência. Utilizando uma amostra normativa integrada num projecto de investigação longitudinal ainda em curso, procurámos atingir três grandes objectivos: 1) testar a estrutura factorial, através de uma análise factorial confirmatória, da versão portuguesa do Friendship Quality Questionnaire, um instrumento que permite avaliar a percepção que os adolescentes têm de diferentes aspectos qualitativos das suas amizades; 2) explorar, através de análises de regressão hierárquica múltipla num delineamento transversal, se as associações entre a retirada social e as experiências com os pares (exclusão, vitimização, popularidade e aceitação) variam em função da exibição de comportamento pró-social (uma característica habitualmente valorizada pelos pares), das dimensões da qualidade da amizade e também do sexo — depois de controlar os efeitos da participação em amizades recíprocas; 3) examinar longitudinalmente a heterogeneidade e as diferenças individuais na evolução desenvolvimental da retirada social durante três anos, através da análise de General Growth Mixture Modeling para identificar subgrupos distintos de indivíduos com diferentes trajectórias, bem como os factores que prevêem a mudança e o crescimento, e ainda quais as consequências desenvolvimentais dos diferentes percursos. Os nossos resultados suportaram a qualidade do ajustamento do modelo hexafactorial do FQQ proposto pelos autores, que revelou também bons níveis de fiabilidade e validade. O nosso estudo transversal demonstrou que a retirada social está associada a dificuldades com os pares e que o comportamento pró-social está ligado ao sucesso nessas interacções. Os efeitos de moderação, porém, apresentaram resultados mistos: para os jovens socialmente retirados, o comportamento pró-social, as amizades pouco conflituosas e caracterizadas por maior validação e cuidado parecem ser factores protectores da exclusão; pelo contrário, a exclusão e a partilha de intimidade aumentam o risco de menor aceitação pelos pares. As análises longitudinais identificaram três trajectórias distintas de retirada social: uma classe Normativa (80%), com níveis reduzidos e estáveis; uma classe Crescente (9%), com níveis iniciais baixos ou moderados, mas com tendência para o agravamento; e uma classe Decrescente, com níveis iniciais elevados, mas que se aproximam gradualmente da classe Normativa. As covariáveis incluídas no modelo, como a adversidade com os pares e o comportamento pró-social, ou características das amizades, como a reciprocidade, estabilidade e qualidade, apresentam padrões de associação específicos com cada uma das trajectórias identificadas. Por fim, constatou-se também que as classes Decrescente e Crescente se distinguem da Normativa no risco de desajustamento psicossocial, estando associadas a dificuldades distintas.
ABSTRACT--------- Research has revealed significant heterogeneity in the experience of social withdrawal throughout development, particularly in the dyadic and group-level peer outcomes, as well as in longitudinal individual trajectories. However, little is known about possible sources of this heterogeneity during adolescence. Using a normative sample from an ongoing longitudinal research project, our main goals were: 1) to test the factor structure, by means of a confirmatory factor analysis, of the Friendship Quality Questionnaire’s Portuguese version, an instrument that assesses adolescents’ perceptions of different qualitative features of their best friendships; 2) to explore, using multiple hierarchical regression analyses, whether the concurrent associations between peer-nominated socially-withdrawn behaviors and four group-level peer outcomes (exclusion, victimization, popularity, peer acceptance) varied as a function of prosocial behavior (usually, a peer-valued characteristic), friendship quality dimensions and gender, after accounting for the effects of involvement in mutual friendships; 3) to examine longitudinally the heterogeneity and individual differences in the developmental course of social withdrawal during three consecutive years, using General Growth Mixture Modeling to identify distinct pathways of social withdrawal, differentiate valid subgroup trajectories, analyze factors that predicted change and growth in trajectories within subgroups, and also what the developmental outcomes are for the different trajectory classes. Our results supported the goodness-of-fit of the proposed model, as well as its reliability and validity. Cross-sectional regression analyses revealed that social withdrawal predicted peer difficulties and that prosocial behavior is positively related to the success in peer interactions. The moderation effects, however, showed mixed results: prosocial behavior, low friendship conflict and highly validating and caring friends may protect from exclusion adolescents who are high on social withdrawal; on the contrary, peer exclusion and friendship intimate disclosure may increase the risk of lower peer acceptance for these adolescents. On the longitudinal analyses, three distinct pathways of social withdrawal were identified: a Normative class (80%), an Increasing class (9%), with initial low or moderate levels of social withdrawal that are gradually rising; a Decreasing class (11%), with high initial levels of social withdrawal that gradually narrowed to the normative group’s values. The covariates included in the model — peer adversity, prosocial behavior and friendship characteristics, such as reciprocity, stability and quality — showed patterns of association specific to each of the identified trajectories. Finally, decreasing and Increasing classes were also differentiated from the Normative class on a number of outcomes, suggesting that they are associated with a higher risk of maladaptation.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) António José dos Santos
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3384
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES FREI1 ISPA 19748
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: PINTO, Alexandra Maria Pereira Inácio Sequeira
Título: Desenvolvimento do Self no período pré-escolar [Texto Policopiado] : a importância das relações de vinculação e com os pares / Alexandra Maria Pereira Inácio Sequeira Pinto
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 179 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A investigação sobre o self e a sua influência em diversas esferas do funcionamento humano é muito profícua. Foi demonstrada a existência de uma relação positiva entre um self positivo e diversos resultados positivos. Também se constatou que, tendencialmente, uma vez formado e desenvolvido, o sentido de self é estável ao longo da vida. Inúmeros autores teorizaram o self como um constructo social, considerando que a qualidade e o tipo de interações sociais estabelecidas, especialmente com os cuidadores primários, possuem um papel preponderante no seu desenvolvimento. Recentemente deu-se importância a outras relações, como as relações com os pares. No entanto, dificuldades metodológicas conduziram a que a investigação sobre o self em crianças pequenas seja escassa e haja uma grande dispersão e discrepância dos resultados, sendo difícil a sua síntese e compreensão. Por conseguinte, ainda se compreende pouco a forma como o self se desenvolve em idades precoces e existe pouca evidência empírica da sua dimensão social. A presente investigação procurou contribuir para este assunto. No primeiro estudo sistematizámos os resultados da investigação sobre o self em crianças pré-escolares. Concluímos que o self de crianças pequenas é passível de ser medido através de metodologias de autorreporte, tanto de forma multidimensional, como global, e que estas metodologias são complementares. Encontrámos tendências de resultados para as variáveis idade, género, QI Verbal e relações de vinculação. No segundo estudo aprofundámos a investigação sobre os efeitos do género e sexo no autoconceito das crianças de idade pré-escolar, numa investigação longitudinal com 83 crianças. Encontrámos evidência da existência de um declínio diferenciado dos valores de alguns dos domínios do autoconceito já no fim do período pré-escolar e diferenças no autoconceito das crianças devidas ao sexo, favorecendo os rapazes. Numa segunda fase, explorámos a dimensão social do desenvolvimento do self. No terceiro estudo, com 70 crianças, analisámos a relação entre as representações globais do self das crianças e as suas representações de vinculação. Encontrámos uma relação positiva e significativa entre os constructos. Finalmente, no quarto e último estudo, analisámos a influência diferenciada da segurança de vinculação à mãe e ao pai aos dois anos de idade na autoestima das crianças aos 5 anos. Adicionalmente, estendemos a análise do self enquanto constructo social, à importância das relações sociais com os pares aos 5 anos. Num estudo com 45 crianças, detetámos associações positivas e significativas entre tanto as seguranças de vinculação como as relações com os pares e a autoestima das crianças. Apenas a segurança de vinculação ao pai e a aceitação pelos pares emergiram como preditores significativos da autoestima. Detetou-se também um efeito moderador da segurança de vinculação ao pai através da aceitação pelos pares. As limitações desta investigação são discutidas em cada estudo e na discussão geral. Contribuímos para o conhecimento acerca do desenvolvimento normativo do self em crianças pequenas e respondemos a algumas das suas questões e controvérsias principais. Originámos novas questões de investigação que fomentam a continuação da investigação sobre este assunto e realizámos considerações para as práticas e políticas educativas e familiares.
ABSTRACT--------- The research on the self and its influence in various spheres of human functioning is very fruitful. Results showed the existence of a positive relationship between a positive self and several positive outcomes. It was also found that once formed and developed, the sense of self tends to be stable throughout life. Several authors theorized the self as a social construct, whereas the quality and the type of social interactions established, especially with the primary caregivers, have a prominent role in its development. Recently, researchers gave attention to other relationships, such as relationships with peers. However, methodological difficulties in the investigation of the self in young children led to its scarcity and to a wide dispersion and discrepancies in the results. So it is difficult to synthesize and understand them. Therefore, little is still understood on how the self is developed at an early age. Additionally, there is still little empirical evidence of its social origin. This research sought to contribute to this field of knowledge. In the first study we systematize the results of research on the self in preschool children. We concluded that the self of young children can be measured by self-report measures, both in a multidimensional and global way. We also concluded that these methodologies are complementary. We found trends of results for the age, gender, verbal IQ and attachment relationships variables. In the second study we deepened the research on the effects of age and gender in preschool children’s self-concept, in a longitudinal research with 83 children. We found evidence of a differentiated decline in some of the dimensions of children’s self-concept already at the end of the preschool period. We also found differences in the self-concept of children due to sex, favoring boys. In a second phase, we explored the social dimension of self development. In the third study, with 70 children, we analyzed the relationship between children’s global representations of the self and their attachment representations. We found a significant positive relationship between the constructs. Finally, in the fourth and last study, we analyzed the differentiated influence of the security of attachment to mother and father at two years of age on children’s self-esteem at 5 years. In addition, we extended the analysis of the self as a social construct to the importance of social relationships with peers at 5 years of age. In a study with 45 children, we detected significant and positive associations between both the attachment securities and the relationships with peers and children’s self-esteem. Only the security of attachment to father and peer acceptance emerged as significant predictors of children’s self-esteem. We also found a moderation effect of the security of attachment to father through peer acceptance. The limitations of this research are discussed in each study and in the general discussion. We contributed to the knowledge of the normative development of the self in young children and answered some of its questions and major controversies. We also originated new research questions that encourage further research on this issue and held considerations for educational and family practices and policies.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Maria Manuela Veríssimo e António José dos Santos
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3386
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES PINT/A1 ISPA 19752
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: DIAS, Sandra Cristina Camisão
Título: Capacitação de pais de pessoas com deficiência [texto policopiado] : projecto oficina de pais / Sandra Cristina Camisão Dias
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 321 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Este trabalho pretende dar uma panorâmica das necessidades, competências parentais e redes de apoio dos pais de filhos com deficiência, em Portugal, e perceber quais os processos cognitivos e emocionais ocorridos nas Oficinas de Pais e os impactos da participação neste projeto, centrado na família. Foram efetuados 3 estudos empíricos que trataram os dados recolhidos aos 279 participantes das Oficinas de Pais, entre 2011 e 2012: no estudo 1, os dados dos questionários de caracterização das famílias, de identificação das necessidades dos pais e das redes de apoio, obtidos no início e no final do 1.º nível das Oficinas (GAE), foram analisados com técnicas estatísticas inferenciais; no estudo 2, os dados do questionário sobre competências parentais percebidas, preenchido por 54 pais, no início do 2.º nível das Oficinas (COR), e do questionário de auto-percepção da evolução dessas competências, preenchido no final do COR, foram analisados com técnicas estatísticas descritivas, e; no estudo 3, os conteúdos de 25 entrevistas presenciais foram analisados qualitativamente com vista à compreensão dos processos ocorridos, da adequação e dos impactos do projeto. Quanto às necessidades de apoio, considerando a amostra global, os pais raramente necessitam de ajuda para explicar o problema do filho e frequentemente precisam de alguém para falar de coisas que os preocupam. A análise sincrónica confirma que as necessidades de apoio se diferenciam consoante a idade e patologia do filho. A análise diacrónica, antes e depois do GAE, confirma que as necessidades de apoio se alteram. Quanto às redes de apoio, considerando a amostra global, os pais recorrem sempre ao cônjuge. A este juntam-se, nas necessidades práticas, os familiares, nas técnicas, os profissionais e, nas emocionais, os amigos. A análise sincrónica confirma que as redes de apoio se diferenciam consoante a idade e a patologia do filho. A análise diacrónica, evidencia, a nível global, a sua diversificação e consequente alívio do cônjuge e confirma que a participação nesta ação influenciou alterações nas redes de apoio social. A análise da competência parental percebida, antes do COR, indica uma avaliação global positiva nas competências de orientação e de controlo, negativa nas de resistência ao stress e mista nas emocionais. A autoavaliação da mudança na competência parental percebida, no final do COR, confirma que a mudança positiva foi influenciada pela participação nesta ação e que ela se diferencia com a idade e patologia do filho. A análise do conteúdo das entrevistas presenciais destaca: nos GAE, a processos de partilha, de reflexão, de consciencialização e de aprendizagens; no COR, a processos de consciencialização e de aprendizagens. Os entrevistados apreciaram positivamente as Oficinas de Pais e destacam como factores distintivos o ser uma escola de pais de filhos com diagnósticos diversos, que partilham em grupo as suas preocupações, reflexões e experiências, e o foco da capacitação ser a pessoa-pai e não só só o pai de filho com deficiência. Os impactos no participante são avaliados positivamente e refletem-se em equilíbrio emocional, alteração de perspetiva da deficiência, identificação e partilha com outros pais e reposicionamento social e familiar.
ABSTRACT--------- The aim of this work is to trace a panoramic of the needs, parental abilities and support network of families with disabled sons, in Portugal, and to try to perceive the cognitive and emotional processes occurred in the Oficinas de Pais project and the impact in the participants of this family centered project. Three empirical studies were developed with the data collected from the 279 participants in the Oficinas de Pais project, between 2011 and 2012: In study 1, the data had been collected with questionnaires of family`s characterization, parent`s needs identification and the support network that they use, the questionnaires had been filled at the beginning and in the end of 1.º level of Oficinas de Pais (GAE); the statistical treatment had been done with inferential statistical techniques; in study 2, the data collected in the questionnaire on the perception of the parental abilities, filled by 54 parents at the beginning of 2.º level of Oficinas de Pais (COR), and in the questionnaire of auto-perception of the evolution of these abilities, filled in the end of COR; in study 3, analysis of the content of interviews, were made to 25 parents, with sight to understand the processes and the impacts occurred as well as the adequacy of the parent`s qualification. About the needs, regarding the global sample, parents rarely need help to explain their son`s problem and frequently need somebody to speak about things that worry them. The synchronic analysis confirms that the support needs differs consonant the age and pathology of the son. The diachronic analysis, before and after GAE, confirms that the support needs modifies. About the support network , regarding the global sample, the parents always appeal to the spouse. To this join, in the practical necessities, the family ones, in the techniques, the professionals and, in the emotional ones, the friends. The synchronic analysis confirms that the support network differs consonant the age and pathology of the son. The diachronic analysis evidences, in the global sample, its diversification and consequent relief of the spouse and confirms that the participation in this project influenced alterations in the support network. The analysis of the perceived parental ability, before the COR, indicates positive evaluation in the control and orientation abilities, negative in the ones of resistance to stress and mixed evaluation in the emotional ones. The auto-evaluation change in the perceived parental ability, in the end of the COR, confirms that the positive change was influenced by the participation in this action and that it differentiates with the age and pathology of the son. The analysis of the content of the interviews concluded: in the GAE, the processes of sharing, reflection, awareness and learning; in the COR, the processes of awareness and learning. The interviewed ones appreciated Oficinas de Pais positively and indicated as distinctive factors the fact that it`s a school of parents of children with diverse diagnostic, that share their concerns, reflections and experiences, and that the focus of the empowerment was the person and not only the person as the father of a disabled son. The impacts in the participants were evaluated positively and are reflected in the emotional balance, alteration of perspective of the deficiency, identification and sharing with other parents and social and familiar repositioning.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Isabel Maria Pereira Leal e Alex Carballo-Diéguez
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3410
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES DIAS/S1 ISPA 19749
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: MANTEIGAS, Nuno Mugiel Nodin
Título: Behavioural and psychological self-perceived impact of using the internet to meet sexual partners among MSM / Nuno Miguel Nodin Manteigas
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 307 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Esta investigação debruça-se sobre a população de homens que têm sexo com homens (HSH) que utilizam sítios na Internet para encontros amorosos e sexuais. Teve como objectivo compreender qual o impacto dessa experiência sobre o comportamento, percepção do self e percepção dos outros e qual a natureza desse impacto. Recorreu-se a uma metodologia de carácter misto para o efeito. Para a fase qualitativa foram entrevistados 36 HSH sobre a sua utilização da Internet, encontros com parceiros sexuais contactados online (PO) e sexo seguro. Depois de transcritas, as entrevistas foram analisadas tematicamente para os estudos apresentados. Para a fase quantitativa desenvolveu-se um questionário e uma escala destinados a compreender em detalhe a questão sob investigação, baseados nas temáticas identificadas durante a fase qualitativa. Os dados foram recolhidos online. Um total de 317 HSH que cumpriram com os critérios de seleção foram utilizados para o primeiro estudo quantitativo e 313 para o segundo. Cada uma das fases da investigação levaram à produção de dois estudos. O primeiro estudo qualitativo (Estudo Exploratório) analisou os conceitos e práticas de sexo seguro de um grupo de HSH com experiência de conhecer PO. Neste estudo verificouse que, para a maioria dos participantes, as estratégias de prevenção utilizadas com PO ou com aqueles contactados offline eram os mesmos, assim não confirmando a nossa hipótese inicial sobre a influência da Internet sobre comportamentos. O segundo estudo qualitativo (Estudo 1) explorou as percepções de alterações no self associadas à experiência de encontrar PO. Os resultados sugeriram a existência de tais alterações tanto ao nível do self quanto das percepções de outros, de formas positivas (e.g. exploração de potencial individual desconhecido; aquisição de competências de comunicação sexual), negativas (e.g. sentimentos de desconfiança em relação aos outros) e neutras. O primeiro estudo quantitativo (Estudo 2) descreveu o desenvolvimento de uma escala de avaliação das percepções e preferências relativas a conhecer PO, a Sexual Use of the Internet Scale (SUIS), recorrendo aos temas identificados no Estudo 1. A análise factorial exploratória identificou seis factores estatística e tematicamente coerentes: “Impacto positivo da Internet”, “Autoexposição sexual online”, “Vantagens de conhecer homens online”, “Preferência por conhecer homens online”, “Desconfiança de homens online”, e “Impacto negativo da Internet”. Por último, o segundo estudo quantitativo (Estudo 3) averiguou se certos aspectos da experiência de conhecer PO e características dos utilizadores de sites de encontros se associavam a percepções de impacto dessa experiência sobre o self, tal como avaliados pela SUIS. As ANOVAs realizadas sugerem que homens que conhecem PO há menos tempo, homens mais novos e homens solteiros apresentam maior percepção desse impacto. O número de PO, a frequência de conhecer PO e a orientação sexual não apresentaram resultados significativos. Os resultados são discutidos no contexto de preocupações e debates antigos sobre o impacto de tecnologias sobre os seres humanos e sobre a sociedade. Os nossos estudos não suportam o lado tecnofóbico nem o tecnofílico deste debate, mas contribuem para uma visão mais detalhada desta área de investigação. A nossa investigação contribui para o aumento do conhecimento relativo a processos de alteração identitária associados à utilização de plataformas virtuais de encontros de carácter social e sexual entre HSH e também de forma mais alargada.
ABSTRACT--------- This research focuses on men who have sex with men (MSM) and use dating and sexual networking websites. Its aims are to understand if and how using these websites affects the men’s behaviour, self-perceptions and perceptions of others. A mixed methods approach was used to investigate this topic. The research was organised into a qualitative and a quantitative phase, each leading to the production of two studies. For the qualitative phase, 36 MSM were interviewed about their internet use, meeting sexual partners online, and safe sex. Transcribed interviews were thematically analysed for both studies presented. For the quantitative phase, a survey and a scale aimed at further understanding the research topic were developed based on themes identified during the qualitative phase. Data was collected online. In total, 317 MSM who met selection criteria were retained for the first and 313 for the second quantitative study. The first qualitative study (Exploratory Study) analyses the safer sex concepts and practices of a group of MSM who meet sexual partners online. This study reports that for most participants, the prevention strategies used with partners met for sex online were the same as those used with partners met for sex offline, thus failing to confirm our initial hypothesis of internet-mediated behaviour change. The second qualitative study (Study 1) explores these men’s perceptions of self-change associated with their online sexual experience (OSE). The results suggest that OSE does impact on these men’s perceptions of themselves and of others in positive (e.g. exploration of unknown personal potential; development of better sexual communication skills), negative (e.g. increased suspiciousness of others) and neutral ways. The first quantitative study (Study 2) describes the development of a scale aimed at investigating men’s perceptions and preferences of meeting sexual partners online - the Sexual Use of the Internet Scale (SUIS) - which was informed by the findings of Study 1. The exploratory factor analysis identifies six thematically interconnected and statistically coherent factors: “positive impact of the internet”, “sexual self-exposure online”, “advantages of meeting men online”, “preference for meeting men online”, “mistrust of men online”, and “negative impact of the Internet”. Finally, the second quantitative study (Study 3) aims to ascertain whether specific aspects of the online sexual networking experience and site-user characteristics affect perceived impact upon the self, by using the SUIS. The ANOVA analyses carried out indicate that men with less experience of meeting others online, younger men and single men have significantly higher levels of perceived self-change associated with using the internet to meet sexual partners. The number of online partners, frequency of meeting partners online and sexual orientation has no significant impact on self-perception. The results are discussed in the context of centuries-old debates and concerns about the impact of technology on humans and society. Our findings provide no support for the technophile or the technophobic sides of this debate, but contribute to a more nuanced reading of this field of inquiry. Our research adds to the knowledge of ongoing processes of identify and self change associated with using online social and sexual networking platforms amongst both MSM and more at large.
ABSTRACT:This research focuses on men who have sex with men (MSM) and use dating and sexual networking websites. Its aims are to understand if and how using these websites affects the men’s behaviour, self-perceptions and perceptions of others. A mixed methods approach was used to investigate this topic. The research was organised into a qualitative and a quantitative phase, each leading to the production of two studies. For the qualitative phase, 36 MSM were interviewed about their internet use, meeting sexual partners online, and safe sex. Transcribed interviews were thematically analysed for both studies presented. For the quantitative phase, a survey and a scale aimed at further understanding the research topic were developed based on themes identified during the qualitative phase. Data was collected online. In total, 317 MSM who met selection criteria were retained for the first and 313 for the second quantitative study. The first qualitative study (Exploratory Study) analyses the safer sex concepts and practices of a group of MSM who meet sexual partners online. This study reports that for most participants, the prevention strategies used with partners met for sex online were the same as those used with partners met for sex offline, thus failing to confirm our initial hypothesis of internet-mediated behaviour change. The second qualitative study (Study 1) explores these men’s perceptions of self-change associated with their online sexual experience (OSE). The results suggest that OSE does impact on these men’s perceptions of themselves and of others in positive (e.g. exploration of unknown personal potential; development of better sexual communication skills), negative (e.g. increased suspiciousness of others) and neutral ways. The first quantitative study (Study 2) describes the development of a scale aimed at investigating men’s perceptions and preferences of meeting sexual partners online - the Sexual Use of the Internet Scale (SUIS) - which was informed by the findings of Study 1. The exploratory factor analysis identifies six thematically interconnected and statistically coherent factors: “positive impact of the internet”, “sexual self-exposure online”, “advantages of meeting men online”, “preference for meeting men online”, “mistrust of men online”, and “negative impact of the Internet”. Finally, the second quantitative study (Study 3) aims to ascertain whether specific aspects of the online sexual networking experience and site-user characteristics affect perceived impact upon the self, by using the SUIS. The ANOVA analyses carried out indicate that men with less experience of meeting others online, younger men and single men have significantly higher levels of perceived self-change associated with using the internet to meet sexual partners. The number of online partners, frequency of meeting partners online and sexual orientation has no significant impact on self-perception. The results are discussed in the context of centuries-old debates and concerns about the impact of technology on humans and society. Our findings provide no support for the technophile or the technophobic sides of this debate, but contribute to a more nuanced reading of this field of inquiry. Our research adds to the knowledge of ongoing processes of identify and self change associated with using online social and sexual networking platforms amongst both MSM and more at large.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Isabel Maria Pereira Leal e Alex Carballo-Diéguez
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3385
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES MANT1 ISPA 19751
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: SIMÕES, Edlia Alves
Título: Tipologias de erros de leitura no 1º Ciclo [Texto Policopiado]: Avaliação da leitura oral de palavras / Edlia Alves Simões
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 219 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Foram realizados dois estudos empíricos. O primeiro teve por objetivo explorar o
desempenho na leitura de crianças durante os quatro primeiros anos de aquisição da leitura,
estudar os padrões de tipologias de erro e os processos cognitivos subjacentes aos tipos de
erros de leitura. Realizou-se uma análise psicolinguística aos casos de correspondências
grafo-fonológicas específicas e estruturas silábicas complexas da ortografia portuguesa.
Participaram, neste estudo, 640 crianças do 1º ao 4º ano. Foram aplicadas duas provas de
leitura oral de palavras. Os resultados revelaram que as crianças melhoram o seu
desempenho ao longo do 1º ciclo em relação à acuidade e fluência, havendo maior
crescimento do 1º para o 2º ano de escolaridade. As crianças cometeram maior número de
erros fonológicos do que lexicais, com uma diminuição progressiva do 1º ao 4º ano,
utilizando a substituição de fonemas como estratégia predominante. Os erros lexicais,
aumentam do 1º para o 2º ano e depois estabilizam até ao 4º ano. A análise psicolinguística
em relação aos casos específicos dos dígrafos consonantais e vocálicos, assim como das
estruturas silábicas complexas (CVC e CCV) mostrou que as crianças apresentam maiores
dificuldades nos dígrafos vocálicos que nos dígrafos consonantais e tendem a simplificar as
sílabas complexas em sílabas CV. No segundo estudo, analisámos a evolução do
desempenho na leitura, de bons e maus leitores do 1º para o 2º ano, e do 3º para o 4º ano, e
caracterizámos os perfis cognitivo-linguísticos destes dois tipos de leitor. Selecionámos 15
bons leitores e 15 maus leitores do 1º ano e 14 bons leitores e 16 maus leitores do 3º ano que
avaliámos no final de cada um dos anos. No primeiro momento, foram aplicadas provas em
relação à acuidade, processamento ortográfico e compreensão. No segundo momento, foi
aplicada uma prova de pseudopalavras, e provas para avaliar a capacidade intelectual nãoverbal,
a memória verbal a curto-prazo, o vocabulário, as capacidades fonológicas e a
capacidade de nomeação rápida. Os maus leitores mostraram uma maior evolução na
acuidade do que os bons leitores, tanto do 1º para o 2º ano, como do 3º para o 4º ano. Em
relação ao processamento ortográfico, apenas avaliado no 1º e 2º ano, verificou-se que
ambos os tipos de leitor evoluíram de forma semelhante. Os maus leitores do 1º ano
apresentaram maior número de erros visuais do que os bons leitores que apresentaram maior
número de erros fonológicos. Quanto à compreensão leitora, do 1º para o 2º ano de
escolaridade os maus leitores evoluíram mais que os bons leitores. No 3º e 4º ano, os maus e
bons leitores tiveram uma evolução semelhante. Verificámos diferenças significativas, num
conjunto de variáveis cognitivo-linguísticas, entre bons e maus leitores. No 2º ano, os maus
leitores apresentaram uma competência inferior na memória verbal a curto prazo, nas
capacidades fonológicas e na capacidade intelectual não-verbal. No 4º ano, apresentaram
desempenhos inferiores na capacidade de reconstrução fonémica e nomeação rápida.
Concluímos apresentando as implicações educacionais destes resultados para a prevenção
das dificuldades de aquisição da leitura.
ABSTRACT--------- We conducted two empirical studies. The first aimed to explore the reading performance of children during the first four years of reading acquisition, as well as the pattern of error types and cognitive processes underlying these reading errors. We held a psycholinguistic analysis of specific cases of grapheme-phoneme correspondences and complex syllabic structures of the Portuguese orthography. In this study, participated 640 children from 1st to 4th grade. Two word reading aloud tests were applied. The results revealed that children improve their performance over the first four grades in relation to accuracy and fluency, with greater growth from 1st to 2nd grade. The children committed more phonological than lexical errors, with a progressive decrease from 1st to 4th grade using the substitution of phonemes as the predominant strategy. Lexical errors increase significantly from 1st to the 2nd grade and then stabilize until the 4th grade. A psycholinguistic analysis to specific cases of consonantal and vocalic digraphs, as well as to the complex syllabic structures (CVC and CCV) showed that children have greater difficulty in vocalic digraphs than in consonant digraphs and tend to simplify the complex syllables in CV syllables, as a reading strategy. In the second study, we analyzed the developmental reading performance of good and poor readers from the 1st to the 2nd grade and from the 3rd to the 4th grade, and also characterized the cognitive-linguistic profiles of these two types of readers. We selected 15 good readers and 15 poor readers in the 1st grade and 14 good readers and 16 poor readers in the 3rd grade, which we assessed at the end of each year. In the first assessment moment, tests were applied to assess accuracy, orthographic processing and reading comprehension. In the second assessment moment, we applied a pseudo-word reading aloud test and tests to assess nonverbal intelligence, short-term verbal memory, vocabulary, phonological skills and rapid naming skills. The poor readers showed a further development in accuracy in comparison to the good readers from both the 1st to 2nd grade, as from the 3rd to 4th grade. Regarding the orthographic processing, only evaluated in 1st and 2nd grades, we found that both types of readers developed similarly. The 1st grade poor readers showed a higher number of visual errors than good readers, who exhibited more phonological errors. As for reading comprehension, the poor readers from 1st to 2nd grade evolved more than good readers, however from the 3rd to 4th grade, the poor and good readers had a similar development. We found significant differences, in various cognitive-linguistic variables, between good and poor readers. In the 2nd grade, the poor readers revealed a lower competence in short-term verbal memory, phonological skills and nonverbal intelligence. In the 4th grade, the poor readers showed lower performance in phonemic reconstruction capacity and rapid naming. The educational implications of these findings, for the prevention of early reading difficulties, are discussed.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Margarida Alves Martins
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4317
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES SIMO1 ISPA 19911
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: GONÇALVES, Jorge Osvaldo Dias Santos
Título: O desenvolvimento metacognitivo de alunos de 3º ciclo e as actividades de investigação no ensino das ciências [texto policopiado] / Jorge Osvaldo Dias Santos Gonçalves
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 149 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Este trabalho teve um duplo objetivo: o primeiro, traduzir e adaptar dois instrumentos de avaliação da metacognição, destinados a estudantes do 3º ciclo para avaliar as diferenças existentes entre estudantes do 7º, 8º e 9º ano de escolaridade; o segundo, perceber em que medida o envolvimento de um grupo de alunos do 8º ano em atividades de investigação, num contexto de ensino das ciências, favorece o seu desenvolvimento metacognitivo. Assim, num primeiro estudo, procedeu-se à tradução, adaptação e validação da versão B do Jr. Metacognition Awareness Inventory (Jr. MAI), criado por Sperling, Howard, Miller e Murphy (2002), assim como da secção Self-Regulated Learning Strategies do Motivated Strategies for Learning Questionnaire (MSLQ), elaborado por Pintrich e De Groot (1990). Participaram neste estudo 995 alunos (560 alunos do 7º ano de escolaridade, 270 alunos do 8º ano e 165 alunos do 9º ano), de 11 escolas. Foram avaliadas as consistências internas da versão B do Jr. MAI ( a=.85) e das duas escalas da secção do MSLQ, Uso da Estratégia Cognitiva (a=.88) e Autorregulação (a=.81). Foram efetuadas análises fatoriais confirmatórias para perceber de que forma os itens avaliam componentes da metacognição, nomeadamente o conhecimento da cognição e a regulação da cognição. Foram avaliadas as diferenças existentes entre os alunos destes anos de escolaridade no que respeita a estas três variáveis. Formularam-se hipóteses de que o desenvolvimento metacognitivo, a utilização de estratégias cognitivas e a autorregulação são maiores em anos de escolaridades mais avançados; as duas primeiras foram parcialmente confirmadas, tendo-se obtido diferenças entre o 7º e o 9º ano, e a terceira não se confirmou. Formulou-se uma questão de investigação sobre a relação existente entre o desenvolvimento metacognitivo, a utilização de estratégias cognitivas e a autorregulação dos alunos, tendo-se obtido correlações moderadas entre estas variáveis. Para perceber se as atividades de investigação constituem um contexto educativo que favorece o desenvolvimento da metacognição de forma mais significativa do que um contexto de ensino tradicional das ciências desenvolveu-se um segundo estudo com 54 alunos do 8º ano, da disciplina de Ciências Físico-químicas, em dois contextos distintos, um considerado como mais tradicional (grupo de controlo) e o outro envolvido em atividades de investigação (grupo experimental). Foram utilizados os dois instrumentos acima referidos. Formularam-se hipóteses de que as atividades de investigação favorecem mais o desenvolvimento metacognitivo, a utilização de estratégias cognitivas e a autorregulação dos alunos do que um contexto de ensino tradicional das ciências. A primeira foi confirmada mas não as duas outras. Formulou-se uma questão de investigação sobre a relação entre a perceção do desenvolvimento metacognitivo dos alunos por parte dos professores e a avaliação do desenvolvimento metacognitivo dos alunos com o Jr. MAI, tendo-se obtido correlações moderadas. Formularam-se hipóteses sobre as relações entre o envolvimento em atividades de investigação, percecionado pelo professor e o desenvolvimento metacognitivo dos alunos, a utilização de estratégias cognitivas e a autorregulação. Foram encontradas correlações moderadas com o desenvolvimento metacognitivo e a utilização de estratégias cognitivas e fortes com a autorregulação.
ABSTRACT--------- This study had two objectives: the first one, to translate and adapt two instruments to measure 3rd cycle students’ metacognition in order to assess the differences between 7th, 8th and 9th grade students; the second, to understand the extent to which the involvement of a group of 8th graders in inquiry activities, in a teaching context of science, promotes their metacognitive development. Thus, in a first study, we proceeded to the translation, adaptation and validation of the B version of Jr. Metacognition Awareness Inventory (MAI Jr.), created by Sperling, Howard, Miller and Murphy (2002) and the Self-Regulated Learning Strategies Section of the Motivated Strategies for Learning Questionnaire (MSLQ), developed by Pintrich and De Groot (1990). The participants were 995 students (560 students in the 7th grade, 270 in the 8th grade and 165 students in the 9th grade) attending 11 schools. We evaluated the internal consistency of the B version of MAI Jr. (a = .85) and of the two scales of MSLQ section, Use of Cognitive Strategy (a = .88) and Self-Regulation (a = .81). Confirmatory factor analysis was performed to see how the items assess metacognition components, namely the knowledge of cognition and the regulation of cognition. Differences were evaluated among students of these grades of schooling, with regard to these three variables. Hypotheses were formulated that metacognitive development, the use of cognitive strategies and self-regulation increase with schooling; the first two were partially confirmed, yielding differences between the 7th and the 9th grade, and the third was not confirmed. A research question concerning the relationship between metacognitive development, the use of cognitive strategies and self-regulation was formulated. Moderate correlations between these variables were obtained. A second study was developed to analyze the impact of inquiry activities on metacognition. Participants were 54 8th graders, attending the discipline of Physical and Chemical Sciences, in two different contexts, one regarded as more traditional (control group) and the other engaged in inquiry activities (experimental group). The two instruments mentioned above were used. We stated hypotheses that inquiry activities have a more positive impact on metacognitive development, the use of cognitive strategies and self-regulation than a traditional context. The first hypothesis was confirmed but not the other two. A research question was formulated about the relationship between teacher’s perception of student’s metacognitive development and student’s metacognitive development as assessed by Jr. MAI. Moderate correlations were obtained. Hypotheses were formulated concerning the relationships between teacher’s perception of the involvement of students in inquiry activities and student’s metacognitive development, use of cognitive strategies and self-regulation. Moderate correlations were found with metacognitive development and the use of cognitive strategies and strong correlations were found with self-regulation.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Educational apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Margarida Alves Martins
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/4318
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES GONC/J1 ISPA 19908
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: PECEGUINA, Maria Inês Duarte
Título: A competência social da criança em meio pré-escolar [texto policopiado]: um modelo hierárquico no contexto das relações entre pares / Maria Inês Duarte Peceguina
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2010
Descrição física: 144 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Integrados numa moldura desenvolvimental, os estudos apresentados nesta investigação avaliam um modelo de medidas para a competência social com os pares, durante o período pré-escolar. A competência social é definida como um traço latente de diferenças individuais que reflecte a capacidade das crianças para coordenar os afectos, cognição, e comportamento na realização de objectivos pessoais de natureza social (Waters & Sroufe, 1983). Adicionalmente, a concretização dos objectivos pessoais não deverá constituir um obstáculo à concretização dos objectivos pessoais dos pares, nem limitar a realização de objectivos futuros. O modelo de mensuração caracteriza-se por ter uma estrutura hierárquica de três níveis, onde a competência social se situa no nível de topo, enquanto factor latente de segunda ordem, com implicações nos três domínios da competência social, situados no nível latente inferior – motivação social e envolvimento, perfis de atributos comportamentais e psicológicos e aceitação de pares. Cada um destes domínios (as famílias de medidas) é medido através de dois ou três indicadores, constituindo a base do modelo (i.e., proporção de atenção visual recebida, proporção de interacções positivas e neutras iniciadas, dois Q-sorts da competência social, e duas medidas sociométricas). Foram testadas hipóteses sobre o ajustamento do modelo a dados Portugueses, bem como sobre a estabilidade do modelo durante o pré-escolar foram testadas. De um modo geral, os resultados foram consistentes com estudos anteriores (e.g., Bost, Vaughn, Washington, Cielinski, & Bradbard, 1998; Vaughn, 2001; Vaughn, et al., 2009), indicando que o modelo tem um bom ajustamento aos dados das crianças portuguesas. Adicionalmente, os resultados sustentam o pressuposto de que, embora pequenas diferenças de natureza cultural, desenvolvimental e de contexto social possam ocorrer ao nível das medidas (o nível base do modelo), a estrutura hierárquica é idêntica ao longo destas dimensões, uma vez que os domínios sociais considerados são considerados como universalmente relevantes para crianças desta faixa etária (i.e., entre os 3 e os 5 anos). A característica que melhor distingue o modelo hierárquico é que, contrariamente a outras abordagens, diversos conteúdos essenciais são considerados, e diversos tipos de instrumentos (e níveis de análise) são utilizados de modo a que seja possível obter uma descrição global da competência social (i.e., sem os constrangimentos situacionais, contextuais, ou dependentes de determinadas habilidades sociais). Como resultado, a avaliação da estabilidade é também possível. As relações entre a competência social, a amizade recíproca e o estatuto sociométrico (duas variáveis frequentemente utilizadas na avaliação da competência social das crianças) foram também exploradas no último estudo. Entre outros resultados, verificou-se que as medidas do modelo apresentavam maior estabilidade de um ano para outro, quer em comparação à amizade, quer ao estatuto sociométrico, sugerindo que a avaliação obtida através do protocolo de medidas é mais abrangente e consistente. As limitações de cada estudo, bem como orientações para futuras
ABSTRACT--------- Embedded in a developmental framework, the studies presented in this research investigate a measurement model for social competence with peers, during the preschool years. Social competence construct is described as an individual differences latent trait that reflects children’s ability in coordinating affect, cognition, and behavior in achieving personal social goals (Waters & Sroufe, 1983). Moreover, the attainment of personal goals should not excessively constrain peers’ opportunities in achieving their own social goals, or reduce the chances for the achievement personal social goals in the future. The measurement model characterizes by having a three-level hierarchical structure, where social competence is placed at the top level, as a second-order latent factor influencing three lower social competence domains – social motivation and engagement, profiles of behavioral and psychological attributes, and peer acceptance. Each of these domains (the measurement families) is measured using two or three indicators, which constitute the base level of the model (i.e., rates of visual attention received, rates of positive and neutral interactions initiated, two social competence Q-sorts, and two sociometric measures). Hypothesis regarding the fit of the model to Portuguese data, as well as the stability of the model across the preschool years were tested. Overall, results were consistent with prior studies (e.g., Bost, Vaughn, Washington, Cielinski, & Bradbard, 1998; Vaughn, 2001; Vaughn, et al., 2009), indicating that the model has a good fit to Portuguese preschool data. Results also support the assumption that, even though small differences associated with cultural, developmental, and social contexts variability may occur at the base level of the model (i.e., the observed measures/indicators), the hierarchical structure is identical across these dimensions, because the social domains considered are thought to be universally relevant to children at these ages (i.e., between the ages of 3-, and 5-years) The most distinguishable feature of the hierarchical model is that, contrary to other approaches, several main issues are taken into account, and several types of instruments (and levels of analyses) are used so that a broad characterization of social competence (i.e., non situational, or contextual, or skills’ based) is possible. As a result, the assessment of stability is also possible. The relations between social competence, friendship reciprocity, and sociometric status (two variables frequently assessed in the evaluation of children’s social competence) were also explored in the last study. Among other findings, the model’s measures was found to be more stable than both friendship and sociometric status, indicating that a broader and consistent assessment is given by the protocol of measures that are used in model operationalization. Limitations of each study and future directions of research are presented in the discussion section of each work, as well as in the general discussion.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia do Desemvolvimento apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) António José dos Santos
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/1107
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES PECE1 ISPA 19093
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: MATEUS, Ana Sofia Mestre Alves da Silva
Título: A transição para a parentalidade na toxcodependência materna [texto policopiado] : comportamento parental e suporte social / Ana Sofia Mestre Alves da Silva Mateus
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2013
Descrição física: 473 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Este estudo teve como objectivo contribuir para a construção de um modelo teórico acerca do comportamento parental de mães toxicodependentes em programa de metadona com filhos até aos 24 meses, bem como averiguar a importância do suporte social e percepção de competência materna no comportamento parental e cuidados parentais prestados por estas mães, desde o final da gravidez até aos 24 meses da criança. Metodologia: Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas a 24 mães em tratamento de metadona, com filhos até aos 24 meses de idade; e foram aplicados o Questionário de Indicadores Individuais, a Entrevista de Redes Sociais, o Questionário de Suporte do Cônjuge ou Parceiro, o Questionário de Cuidados à Criança, a Escala de Percepção de Competência Parental e a Escala de Paciência /Irritabilidade a 26 mães em tratamento de metadona (Grupo Experimental) e a 25 mães não toxicodependentes (Grupo de Controlo), em vários momentos, desde o final da gravidez aos 24 meses da criança. Na análise das entrevistas foi utilizada a metodologia Grounded Theory e os dados resultantes das escalas e questionários foram analisados quantitativamente com o auxílio do pacote estatístico SPSS. Resultados: De acordo com o modelo teórico construído, foi possível identificar a principal preocupação materna – ambivalência em relação à gravidez/maternidade e à toxicodependência, associada a uma forte culpabilização – tornando-se claro um processo de minimização do papel parental, que se torna meramente funcional. Surgiram como factores intervenientes relevantes, que fazem variar o sentimento de ambivalência e qualidade do comportamento parental, a idade da criança, as recaídas, o momento em que se iniciou o tratamento, e o suporte social. No estudo quantitativo a análise das variáveis sociodemográficas revelou diferenças significativas entre os dois grupos em variáveis como o peso do bebé à nascença, a escolaridade e o rendimento mensal líquido. A rede de suporte das mães toxicodependentes é mais alargada no final da gravidez, decrescendo em tamanho e qualidade a partir dos seis meses de idade da criança, assim como o apoio do companheiro, verificando-se uma diferença considerada significativa relativamente às redes sociais globais e primárias das mães não toxicodependentes, com importância no aumento da impaciência na relação mãe-filho e na diminuição da auto-percepção de competência parental. Conclusões: Conclui-se que o comportamento parental de mães toxicodependentes é caracterizado por uma transição para a maternidade realizada com dificuldades, marcada por sentimentos fortes de ambivalência e culpabilização, deixando pouca disponibilidade para um maior envolvimento emocional na relação mãe-bebé que se repercute numa maternidade funcional. A este período de transição, que vai até aos 6 meses da criança, corresponde uma rede social primária e global com dimensões reduzidas e um suporte social que decresce repentinamente após os 6 meses do bebé. A rede de suporte social e a sua evolução ao longo do tempo parecem relacionar-se com o comportamento parental e com os cuidados prestados aos filhos pelas mães em tratamento de metadona. Discutem-se implicações teóricas e práticas dos resultados, limitações metodológicas e apontam-se linhas de investigação futura.
ABSTRACT--------- The aim of this study is to contribute to a theoretical model about parenting of drug addicted mothers on a methadone program, with children up to two years old, as well as find out the impact of social support and self perception of maternal competence on parenting and on the quality of parental care by mothers who are substance abusers. Methods: Semi structured interviews were conducted to 24 mothers on a methadone program, with children up to 24 months old. Social Demographic Questionnaire, Social Network Interview, Scale of Spouse/Partner Support, Questionnaire of Child Care Activities, Scale of Perception of Maternal Competence, and Scale of Maternal Patience/Irritability were filled in by 26 drug addicted mothers on methadone treatment (experimental group) and 25 mothers who were not substance abusers (control group), in several moments of follow-up, since the end of pregnancy until children were 24 months old. In the analysis of the interviews Grounded Theory methodology was used, and data resulting from the quantitative study was analysed quantitatively using the SPSS statistical package. Results: According to the theoretical model, it was possible to identify the main maternal concern - a feeling of ambivalence between pregnancy/maternity and drug addiction, associated with a strong feeling of guilt. Confronted with this ambivalence, the process of minimization of the parental role, that becomes purely functional, becomes clear. Factors have emerged as relevant, influencing the feeling of ambivalence and quality of parenting: child's age, relapses, when the treatment has begun and social support. Quantitative study on the analysis of socio-demographic variables showed significant differences between the two groups in variables such as baby's weight at birth, years of education and monthly income. The longitudinal quantitative study results indicate that the mother's support network is wider at the end of pregnancy, decreasing in size and quality from the sixth month on, as well as partner support, with a significant difference in social global and primary social network of substance abusing mothers, who reveal higher impatience levels in mother-child relationship and low parental competence self-perception. Conclusion: Parental behaviour of drug addicted mothers is characterized by a difficult transition to motherhood, with strong feelings of ambivalence and guilt, leaving little availability to a greater emotional involvement in mother-baby relationship, resulting in a more functional maternity (parental behaviour responding only to the child's basic needs).This period of transition, until child is 6 months, is characterized by a primary social and global network with reduced dimensions and by a decrease in social support suddenly after 6 months, with correlation to higher levels of irritability, lack of patience and a lower self perception of parental competence. Social support network and its evolution through time seems to be related to parenting and child care quality by mothers on a methadone programme.Theoretical and practical implications of results, methodological limitations and future research lines are discussed.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia da Saúde apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) António Augusto Pazo Pires
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3029
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES MATE1 ISPA 19642
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: MARTINS, Henriqueta Maria Ramalhinho Ginja da Costa
Título: Tornar-se mãe, tornar-se pai e tornar-se bebé numa gravidez de risco [texto policopiado] / Henriqueta Maria Ramalhinho Ginga da Costa Martins
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 356 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- Neste estudo a nossa proposta é mostrar a relevância do tornar-se mãe, do tornar-se pai e do tornar-se bebé numa gravidez de alto risco biológico, como processo dinâmico e intersubjetivo, através de uma metodologia qualitativa longitudinal psicanaliticamente informada. Os objetivos são revelar os processos de transformação, intrasubjectiva e intersubjetiva, entre todos os participantes, sendo o investigador considerado como participante, destacar a importância dos eixos centrais da clínica psicanalítica (processos inconscientes, processos de transformação, a dinâmica da transferência e contratransferência e a singularidade do processo de significação) e garantir a coerência entre o objeto, objetivos e os métodos de pesquisa psicanaliticamente informada, de modo a contribuir de forma pioneira para uma melhor compreensão da emergência do psiquismo do bebé e do tornar-se pais. Para acedermos às transformações intrapsíquicas e intersubjetivas usamos duas tríadas - Sara, Abraão, Isaac e, Isabel, Zacarias, João, e utilizamos como recursos a observação, a entrevista de associação livre e a narrativa conjunta do casal, entre o último trimestre de gravidez (no hospital) e o final do primeiro trimestre de vida do bebé (em casa da família). Tendo como quadro de referência a metodologia proposta por Hollway e Jefferson (2000, 2008), os dados obtidos a partir das transcrições das entrevistas, gravadas em registo áudio, associados com as notas de campo da investigadora, foram sistematicamente analisados e discutidos com um grupo de pares com vista à aproximação à verdade e ao conhecimento consensual construído na intersubjetividade. Os resultados, discutidos e refletidos à luz das experiências vividas e do que tem sido reportado na literatura, permitem destacar a singularidade e as transformações de cada sujeito, a coconstrução das diferentes subjetividades nas experiências intersubjetivas, a importância do intercâmbio de lugares quer nos pais quer na investigadora, dos lugares não sobrepostos do pai junto da mãe que gesta e cuida do bebé, e do lugar do bebé para a construção dos pais. A dinâmica de coconstrução e renovação de continentes-conteúdos permite-nos, ainda, realçar a perigosidade das generalizações e fazer notar que no campo do psiquismo é necessário reconhecerem-se os prejuízos de se fazerem predições da ordem das profecias.
ABSTRACT--------- In this study our proposal is to show the relevance of becoming a mother, becoming a father and becoming a baby in a high-risk biological pregnancy, as a dynamic and intersubjective process, through a psychoanalytically informed qualitative longitudinal methodology. The aims are to reveal the processes of transformation, intrasubjective and intersubjective, among all participants, and with the researcher being considered a participant, to highlight the importance of the central axes of the psychoanalytic clinic (unconscious processes, transformation processes, the dynamics of transference and countertransference and the uniqueness of the process of meaning) and to ensure the consistency between the object, objectives and the psychoanalytically informed research methods, thus contributing in a pioneering way to a better understanding of the emergence of the baby’s psyche and of becoming parents. To access the intrapsychic and intersubjective transformations we have used two triads - Sara, Abraham, Isaac, and Elizabeth, Zechariah, John, and used as resources the observation, the free association interviewing and the couple's joint narrative, between the last trimester of pregnancy (in the hospital) and the end of the first trimester of the baby’s life (in the family’s home).Having as a framework the methodology proposed by Hollway and Jefferson (2000, 2008), the data obtained from the interview audio tape recorded transcripts, along with the notes of the researcher, were systematically analyzed and discussed with a group of peers, in order to approximate to the truth and the consensual knowledge created on intersubjectivity. The results, discussed and reflected in light of the lived experiences, as well as of what has been reported in the literature, allow to highlight the uniqueness and the transformations of each subject, the co-construction of different subjectivities in the intersubjective experiences, the importance of exchanging places in both the parents and the researcher, in the non-overlapping places of the father near the mother who is pregnant and takes care of the baby, and in the baby’s place for the construction of parents. The dynamics of co-construction and the renovation of the container-contained relation also allow us to highlight the dangers of generalizations and to point out that in the field of psyche is necessary to recognize the costs of making predictions in the order of prophecies
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicnálise apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação do(s) Professora(s) Doutora(s) Emilio Salgueiro e Maria Emília Marques
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3818
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES MART/H1 ISPA 19836
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: MARQUES, Paulo Manuel Baptista da Mota
Título: O conceito de matriz grupanalitica na escola portuguesa de grupanálise [Texto Policopiado] : uma investigação conceptual-empírica / Paulo Manuel Baptista da Mota
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 274 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A presente tese de doutoramento é uma investigação conceptual sobre o conceito de matriz grupanalítica, elaborado e desenvolvido por Eduardo Luís Cortesão, seguido e assimilado pela Escola Portuguesa de Grupanálise. Diversos autores, quer a nível nacional, quer no contexto internacional, têm abordado o conceito de matriz de grupo e de matriz grupanalítica com similaridades mas também de forma específica e diferente, consoante as suas referências paradigmáticas e a sua prática clínica. Estas diferenças significam que nem sempre estes conceitos são definidos e utilizados de uma forma clara e homogénea, com potenciais repercussões ao nível teórico-clínico. Numa primeira fase, esta investigação conceptual pretendeu investigar como é que o conceito de matriz grupanalítica é definido e contextualizado na literatura existente, nomeadamente abordando as raízes históricas do mesmo, conceitos similares, convergentes, e importância para a clínica. Nesta perspetiva, a pesquisa efetuada incidiu no conceito de matriz grupanalítica mas também no conceito de group matrix (matriz de grupo) uma vez que o conceito de matriz grupanalítica, de Cortesão, surgiu no âmbito da discussão e desenvolvimento do conceito de group matrix, de Foulkes. Numa segunda fase, pretendeu-se saber como é que o conceito de matriz grupanalítica é definido e utilizado, de uma forma explícita e implícita, por uma amostra selecionada de oito grupanalistas portugueses, membros titulares didatas da Sociedade Portuguesa de Grupanálise e Psicoterapia Analítica de Grupo (SPGPAG). Neste sentido foram efetuadas, a estes, entrevistas de tipo semidiretivo, embora com um referencial aberto de contribuições de outras tipologias de entrevista, nomeadamente da entrevista de livre narrativa, tendo seguidamente estas entrevistas sido analisadas nos seus conteúdos explícitos e implícitos, com a contribuição de um grupo de trabalho previamente definido. Os resultados obtidos em ambos os momentos da investigação levaram a concluir que o conceito de matriz grupanalítica é um conceito importante e mesmo basilar da teoria e técnica grupanalítica e que é valorizado, percecionado e utilizado, de forma explícita e implícita, com similaridades mas também com algumas diferenças entre os grupanalistas portugueses. O conceito de matriz grupanalítica integra ele próprio outros conceitos, sendo de relevar os conceitos de padrão grupanalítico e processo grupanalítico, assim como o de elaboração, entre outros. O conceito de matriz grupanalítica foi analisado em sete dimensões diferentes: dimensão da definição, dimensão temporal, dimensão técnica, dimensão dos fenómenos, dimensão analógica, dimensão da matriz interna e dimensão neurobiológica. Os grupanalistas entrevistados contribuíram com novos aportes e destacaram aspetos importantes relativos ao desenvolvimento e transformação deste conceito, tendo sido possível efetuar uma articulação entre as dimensões, aspetos introduzidos e vertentes funcionais referidas, no que se refere ao conceito de matriz grupanalítica, obtendo-se um quadro integrado destes resultados. A grupanálise portuguesa caracteriza-se por uma especificidade teórica e técnica que a define e a distingue de outras abordagens, nomeadamente pela introdução de conceitos como os de matriz grupanalítica e padrão grupanalítico, entre outros também relevantes, mas configura também um modelo de uma certa integração de conceitos e perspetivas várias dentro do espaço da teoria grupanalítica, úteis para a prática clínica.
ABSTRACT--------- This PhD thesis is a conceptual research about the group analytic matrix concept, conceived and developed by Eduardo Luís Cortesão, followed and assimilated by the Portuguese School of Group Analysis. Several authors, at national and international level, have approached the concept of group matrix and of group analytic matrix with similarities but also in a specific and different way, depending on paradigmatic differences and clinical practice. These differences mean that these concepts are not always defined and used in a clear and even way, with potencial repercussions at the theoretical and clinical levels. Initially, this conceptual research aimed at investigating how the group analytic matrix concept is defined and contextualized in the existing literature, particularly by addressing its historical roots, its similar and convergent concepts and clinical importance. Bearing this in mind, the performed research focused not only on the concept of group analytic matrix but also on the concept of group matrix, since Cortesão's concept of group analytic matrix arose during the debate and development of the Foulkes's group matrix concept. Secondarily, the intention was to know how the concept of group analytic matrix is defined and used, in an explicit and implicit way, by a selected sample of eight portuguese groupanalysts, tutor members of the Sociedade Portuguesa de Grupanálise e Psicoterapia Analítica de Grupo (SPGPAG). They were interviewed in a semi-directive way, although with an open reference of contributions from other interview typologies, including the free narrative interview. These interviews were then analysed regarding their explicit and implicit content, with the contribution of a predetermined work group. The results of both research moments led to the conclusion that the concept of group analytic matrix is an important and even basic concept of the group analytic technique and theory that is valued, perceived and used, explicitly and implicitly, with similarities and also with some differences, among the portuguese groupanalysts. The concept of group analytic matrix integrates other concepts, like the concepts of group analytic pattern and group analytic process, as well as, among others, the concept of elaboration. The concept of group analytic matrix was analyzed in seven different dimensions: definition dimension, temporal dimension, technical dimension, phenomena dimension, analog dimension, internal dimension and neurobiological dimension. The interviewed groupanalysts contributed with new inputs. They highlighted important aspects concerning the development and transformation of this concept. It was possible to establish a link between the dimensions, new aspects and referred functional aspects, regarding the concept of group analytic matrix and obtaining an integrated framework of these results. Portuguese group analysis is characterized by a theoretical and technical specificity that defines and distinguishes it from other approaches, including the introduction of concepts such as group analytic matrix and group analytic pattern, setting up, at the same time, a model of integration of the several concepts and perspectives belonging to the group analytic theory and useful to clinical practice.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia Clinica apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Nuno Torres
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3816
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES MARQ/P1 ISPA 19833
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: NUNES, Vera Maria Amaro
Título: Forever young? [Texto Policopiado] : the costs of preparation for retirement / Vera Maria Amaro Nunes
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2014
Descrição física: 268 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- A conjugação do aumento da expectativa de vida e da diminuição das pensões de reforma tem levado trabalhadores de todo o mundo a assumir uma maior responsabilidade relativamente às suas poupanças para a reforma. Diversas pesquisas mostram que mesmo um pequeno grau de planeamento resulta numa melhor situação económica na reforma, mas que o grau de planeamento da reforma continua baixo. Uma possível explicação reside na existência de custos de planeamento. Propomos que estes custos resultam, entre outros aspetos, da escassez de tempo, da complexidade dos produtos financeiros, de falta de conhecimentos financeiros e de habilidades específicas, como numeracia, e de ansiedade e stresse associados às decisões financeiras. Assim, os nossos principais objetivos foram demonstrar que os custos psicológicos de planeamento da reforma afetam o planeamento e as poupança, e investigar a sua relação com outras variáveis importantes neste âmbito, tais como motivação, valência afetiva e perspetiva temporal. Assumindo que o comportamento de poupança é em grande medida orientado pela impaciência, pretendíamos também explorar um possível efeito do contexto de reforma e do grau de referência ao tempo futuro das linguagens na impaciência. Os nossos resultados mais importantes são que os custos psicológicos de preparação para a reforma emergem como uma variável que pode afetar a forma como as pessoas tomam as suas decisões de reforma e deve ser tomada em consideração de forma a superar as dificuldades que sentida no planeamento da reforma. As mulheres parecem ter mais dificuldade em planear a reforma e estar particularmente em risco de não conseguir manter o padrão de vida durante a reforma, aspeto que é de grande importância se considerarmos que as mulheres tendem a viver mais tempo do que os homens. Verificámos que a motivação para a reforma e fatores como perspetiva temporal futura e valência afetiva associada à reforma desempenham um papel importante, e também sugerem que as pessoas que apresentam elevados custos psicológicos apresentem uma maior sensibilidade ao contexto da reforma. Finalmente, os nossos resultados sugerem a existência de um efeito do contexto da reforma e da situação de trabalho no grau de impaciência das pessoas, e dão suporte parcial ao efeito do grau de referência ao tempo futuro das linguagens na impaciência. Os programas de educação financeira desenvolvidos para melhorar o planeamento da reforma e a poupança podem ser úteis, dando conhecimento sobre aspetos financeiros e de planeamento, mas frequentemente as pessoas não possuem condições para aproveitar ao máximo essa informação. Para serem eficazes, estes programas devem visar a redução dos reais custos psicológicos de preparação para a reforma sentidos pelas pessoas e ser ajustáveis, em alguma medida, a diferenças individuais em aspetos como a motivação, valência afetiva, género, situação de trabalho e perspetiva temporal. Em conclusão, é claramente necessária mais informação sobre estas questões, mas acreditamos que, se as características individuais forem tomadas em consideração e se se tentarem reduzir os custos psicológicos de preparação para a reforma, estes programas podem ser verdadeiros facilitadores do planeamento e poupança para a reforma e, consequentemente, conduzir a uma melhor qualidade de vida durante a reforma.
ABSTRACT--------- The combination of increasing life expectancy and declining of retirement pensions is leading workers all around the world to take on a much higher responsibility for their retirement savings. Research shows that even a small amount of retirement planning results in a better economical situation in retirement, but a very low extent of retirement planning has been found. A possible explanation for this situation resides in the existence of planning costs. In our view, these costs may derive, among other aspects, from lack of time to plan, complexity of financial products, lack of financial knowledge and of specific skills, like numeracy, and anxiety associated with financial decisions. Therefore, the main objectives of this work were to demonstrate that psychological costs of retirement planning may significantly affect retirement planning and savings, to investigate the relationship between these costs and other variables with an important role in the retirement planning activity, such as retirement motivation, retirement affective valence and time perspective. Assuming savings behavior to be guided by impatience degree, we also intended to explore a possible effect of retirement context, and of language’s future time reference, on impatience. Our most important results are that psychological costs of retirement preparation emerge as a variable that can affect how people make their retirement decisions and must be addressed to overcome the difficulties people feel in planning their retirement. Women seem to feel more difficulty in planning retirement and are particularly at risk of not being able to maintain their living standard in retirement, which is of sizeable importance when we consider that women tend to live longer than men. We also found that retirement motivation and factors such as future time perspective and retirement affective valence play an important role in retirement planning, and that people with high psychological costs may present a heightened sensitivity to retirement context. Finally, our results suggest an effect of retirement context and work status in people’s impatience, and give partial support to time preference sensitivity to degree of future time reference in languages. Financial education programs developed to enhance retirement planning and savings can be helpful by offering financial and planning knowledge, but people often do not take full advantage of this kind of information. We consider that, in order to be effective, these programs should also aim at the reduction of the actual psychological costs of retirement preparation perceived by people and be adjustable, at least in some measure, to differences in aspects like retirement motivation, retirement affective valence, gender, work status and time perspective. In conclusion, more information about these issues is needed but we believe that, if taking into account individual characteristics and attempting to reduce the psychological costs of retirement preparation, these programs might become true facilitators of retirement savings and planning and, therefore, lead to a better quality of life in retirement.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Marc Scholten e Daniel Read
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3817
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES NUNE1 ISPA 19837
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: REBELO, Ana Sofia Garcia
Título: Segurança dos modelos internos de vinculação. reminiscência pais-criança e o conhecimento emocional das crianças em idade do pré-escolar / Ana Sofia Garcia Rebelo
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 194 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- O objectivo deste estudo foi verificar se a segurança das representações mentais da relação de vinculação das crianças se correlaciona com um maior conhecimento das emoções, na idade do pré-escolar. Participaram 176 crianças do distrito de Lisboa, com idades entre os 3 e 5 anos. Utilizou-se a escala contínua de segurança do Attachment Story Completion Task e o Teste do Conhecimento das Emoções. Os resultados sugerem que as crianças com modelos internos seguros apresentam um maior conhecimento das emoções, não havendo influência da capacidade verbal. Este estudo sugere que crianças com modelos internos seguros experienciam relações mais calorosas com os seus cuidadores, nas quais é possível partilharem e discutirem experiências emocionais de forma aberta e suportada permitindo que estas apresentem um maior conhecimento emocional.
ABSTRACT--------- The present study aims to clarify the relation between attachment representations and emotional knowledge in preschool children. 176 children from Lisbon participated in the study, they were between 3 and 5 years of age. Quality of attachment representations was assessed with the security scale of Attachment Story Completion Task and emotional knowledge was assessed with the portuguese adaptation of Affect Knowledge Test. Our results suggest that children with secure internal working models show more emotional knowledge. No differences were found regarding verbal ability. These findings suggest that children with secure internal working models experience warmer relationships with their caregivers, sharing and discussing emotional experiences in an open and supported way, allowing for a greater emotional knowledge.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Manuela Veríssimo
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3874
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES REBE1 ISPA 19845
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar

Autor: GRANJO, Manuel Romualdo Cepeda
Título: Contributo para o estudo da identidade docente [Texto Policopiado] : autopercepções dos professores do ensino particular e cooperativo, o papel da ética e a mediação da autoestima e dos relacionamentos com compromisso afetivo do professor com a a escola e profissão / Manuel Romualdo Cepeda Granjo
Publicação: Lisboa : ISPA: Instituto Universitário , 2015
Descrição física: 359 p.
Resumo de autor: RESUMO--------- O presente estudo investiga as relações entre a orientação ética, a satisfação das necessidades de autonomia e relacionamento e a competência percebida, no sentido de perceber como estas variáveis interagem e se influenciam entre si, na expetativa de que a dimensão ética produza efeitos importantes na motivação intrínseca, na autoestima e no compromisso do professor com a escola e a profissão. No primeiro objetivo pretendeu-se conhecer as perceções dos professores do ensino particular e cooperativo em fatores associados à identidade profissional e, num segundo objetivo, analisar as diferenças introduzidas pelo género, pela experiência e orientação religiosa da escola. O terceiro objetivo centrou-se na testagem de um modelo de relações entre variáveis associadas à identidade docente. Dos sete instrumentos utilizados para avaliar os construtos em estudo, a escala de orientação ética do professor e a escala de competência profissional percebida foram por nós construídas, enquanto as cinco restantes resultaram de processos de adaptação de outras escalas. Nos estudos de validação realizados as escalas mostraram propriedades psicométricas adequadas. Num primeiro estudo utilizámos os dados de uma amostra de 201 professores portugueses, de duas escolas privadas da zona de Lisboa, e num segundo os dados de uma amostra constituída por 450 professores, de escolas privadas distribuídas pelo território nacional e ilha da Madeira. No que concerne ao primeiro objetivo, os professores apresentam perceções elevadas em todos os fatores avaliados, à exceção da dimensão participação na escola e relação com a comunidade educativa, no compromisso normativo e instrumental com a escola, onde revelaram autopercepções de valor moderado. Quanto ao segundo objetivo, os resultados obtidos permitem verificar a existência de diferenças introduzidas pelo género, com as professoras a expressarem autopercepções mais favoráveis na orientação ética, na dimensão relação com os colegas e satisfação, nas competências profissionais e de conduta e no compromisso afetivo com a escola. O tempo de serviço introduz diferenças no autoconceito profissional e em algumas das suas dimensões – à medida que aumenta a experiência os professores percecionaram-se como significativamente mais competentes nas dimensões aceitação de riscos e iniciativas e na relação com os alunos, sendo que nesta se verifica apenas uma diferença significativa entre o grupos menos experiente e experiente - e enquanto o compromisso afetivo com a escola aumenta com a experiência, favorecendo o grupo mais experiente, o compromisso instrumental diminui. A variável orientação religiosa da escola introduz diferenças na relação com os alunos, na dimensão satisfação e no compromisso afetivo, favorecendo os professores das escolas com orientação religiosa. Relativamente ao terceiro objetivo, os resultados obtidos no modelo de relações proposto, testado através de modelos de equações estruturais, mostram relações significativas entre as variáveis em estudo, destacando-se o facto de a orientação ética produzir efeitos significativos sobre os demais fatores de identidade docente; o papel mediador da autoestima entre as variáveis motivacionais e o compromisso com a profissão e a mediação da satisfação da necessidade de relacionamentos da orientação ética com o compromisso afetivo com a escola e a competência como nediadora entre a orientação ética, a autonomia e a autoestima. Este estudo acrescenta algum conhecimento útil à identidade docente principalmente ao evidenciar a importância da ética na ação dos professores.
ABSTRACT--------- This study investigates the relationship between the ethical orientation, the accomplishment of autonomy and relationship needs and the perceived competence, to try to understand how these variables interact and influence each other in the expectation that the ethical dimension will have major effects on intrinsic motivation, self-esteem and the teacher's commitment to the school and the profession. The first objetive was to know the perceptions of the private and cooperative education teachers on factors related to professional identity and a second objetive was to analyse the differences introduced by gender, experience and school religious orientation. The third objetive focused on testing a model of relationships between variables associated with teacher identity. Of the seven instruments used to assess the constructs under study, the ethics teacher orientation scale and professional perceived competence scale were built by us, while the remaining five were the result of adaptation of other scales processes. In validation studies conducted, scales showed adequate psychometric properties. In a first study, we used data from a sample of 201 Portuguese teachers, from two private schools in the Lisbon area, and a second study data from a sample of 450 teachers from private schools all around Portugal and the island of Madeira. Regarding the first objetive, the teachers had high perceptions in all evaluated factors except for the level of school participation and relationship with the educational community in the normative and instrumental commitment to the school, where they revealed self-perceptions of moderate value. As far as the second objetive is concerned, the results obtained showed that there are differences introduced by gender, whereas female teachers express more favourable self-perceptions in ethical orientation, professional knowledge and conduct, in meeting the need of autonomy and competence and in the affective commitment to the school. The service time introduced differences in professional self-concept and some of its dimensions - with increasing experience the teachers perceived themselves as significantly more competent in the dimensions of accepting risks and initiatives and in the relationship with students, in which the latter showed a significant difference merely between the least experienced and the experienced groups; and, finally, as the affective commitment increases with experience, favouring the more experienced group, the instrumental commitment decreases. The variable school religious orientation introduced differences in the relationship with students and satisfaction and in the affective commitment, favouring teachers in schools with religious orientation. As for the third objetive, the results obtained in the proposed relationship model, tested through structural equation models, showed significant relationships between the variables under study, highlighting the fact that the ethical orientation has significant effects on the other teacher identity factors and the mediating role of self-esteem among the affective variables and the commitment to the profession, and the need for relationships between the ethical orientation and the affective commitment to the school, and the perceived competence among ethical orientation and the need for autonomy and self-esteem. This study adds some useful knowledge to teacher identity mainly by highlighting the importance of ethics in teachers’ practices.
Notas diss.ou tese: Tese de Doutouramento em Psicologia da Educação apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada, sob orientação da(s) Professora(s) Doutora(s) Francisco José Brito Peixoto
Assuntos: Teses de Doutoramento
Subject: Thesis
OCL: 1110 - Teses de Doutoramento
URL: http://hdl.handle.net/10400.12/3873
URL: http://www.ispa.pt/biblioteca/localizacao_do_documento/tes.htm
Cota: TES GRAN1 ISPA 19848
Tipo de documento: Texto impresso
País de publicação: POR



Marcar